MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

quarta, 18 de setembro de 2019

Economia

Crescimento estrondoso na exportação de celulose e óleo aumenta receita de MS

Nos primeiros dez meses deste ano em relação ao mesmo momento do ano passado, passando de US$ 2,48 bilhões para US$ 2,96 bilhões

Por: Página Brazil/ Reproduzido por Tero Queiroz19/11/2018 às 08:34
ComentarCompartilhar
Exportações de celulose e papel e de óleos vegetais e demais produtos de sua extração de Mato Grosso do Sul já acumulam alta de 87% e 70%Exportações de celulose e papel e de óleos vegetais e demais produtos de sua extração de Mato Grosso do Sul já acumulam alta de 87% e 70%Foto: Divulgação/Assessoria

As exportações de celulose e papel e de óleos vegetais e demais produtos de sua extração de Mato Grosso do Sul já acumulam alta de 87% e 70%, respectivamente, de janeiro a outubro deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Esse crescimento estrondoso provocou um aumento de 19% na receita de exportações de produtos industrializados do Estado nos primeiros dez meses deste ano em relação ao mesmo momento do ano passado, passando de US$ 2,48 bilhões para US$ 2,96 bilhões.

De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, apesar de o mês de outubro ter apresentado uma redução de 9% na comparação com o mesmo período de 2017, com a receita diminuindo de US$ 290,4 milhões para US$ 264,8 milhões, no acumulado do ano as exportações de industrializados estão em franco crescimento, tanto que o volume apresentou aumento de 2%.

“Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 71% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano essa participação ficou em 61%”, analisou.

O economista explica que, de janeiro a outubro, além dos grupos “Celulose e Papel” e “Óleos Vegetais”, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Complexo Frigorífico”, “Extrativo Mineral”, “Açúcar e Etanol” e “Couros e Peles”, que, somados, representaram 97,8% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

“Os nossos dez principais compradores foram China, Itália, Holanda, Hong Kong, Argentina, Chile, Estados Unidos, Uruguai, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos”, informou.

Celulose e óleos

No grupo “Celulose e Papel”, a receita no período avaliado foi de US$ 1,54 bilhão, crescimento de 87% nos dez meses de 2018 comparado com a somatória de janeiro a outubro de 2017, dos quais 97,5% foram obtidos apenas com a venda da celulose (US$ 1,51 bilhão), tendo como principais compradores China, com US$ 818,1 milhões, Itália, com US$ 171,7 milhões, Holanda, com US$ 146,4 milhões, Estados Unidos, com US$ 102,3 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 40,8 milhões.

“Atualmente o mercado global de celulose passa por um momento positivo, na onda da recuperação econômica dos Estados Unidos e Europa. Segundo a projeção de diferentes economistas, o ciclo do aumento de preços deve durar até 2019, uma vez que o crescimento da demanda é linear, enquanto a oferta não acompanha o mesmo ritmo. Essa constatação tem movimentado bastante o mercado brasileiro. Neste ano tivemos duas importantes notícias no segmento: a aquisição da Fibria pela Suzano e da Lwarcell pelo grupo Royal Golden Eagle (RGE), dono da April. Assim, neste e no próximo ano as exportações de celulose deverão se manter em crescimento”, analisou Ezequiel Resende.

Para o grupo “Óleos Vegetais”, a receita alcançou US$ 169,4 milhões nos dez primeiros meses deste ano, um crescimento de 70% na comparação com o mesmo período do ano passado, com destaque para farinhas e pellets, que somaram US$ 118,8 milhões, tendo como principais compradores Tailândia, com US$ 47,8 milhões, Coreia do Sul, com US$ 26,7 milhões, Indonésia, com US$ 24 milhões, Vietnã, com US$ 22,8 milhões, e Holanda, com US$ 11 milhões.

“A indústria de processamento de soja do Brasil está negociando com autoridades do governo da China maneiras de elevar as exportações de farelo de soja para o gigante asiático, que já compra cerca de 80% das exportações brasileiras de soja em grão. Há necessidade de um equilíbrio entre as exportações de grãos e farelo do País, para ajudar os processadores locais, que estão enfrentando um aumento dos custos da matéria-prima”, pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

Outros grupos

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida na soma de janeiro a outubro deste ano foi de US$ 756,8 milhões, uma redução de 3% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 36,1% do total alcançado são oriundos das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 273,1 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 155 milhões, Chile, com US$ 119,4 milhões, China, com US$ 54,5 milhões, Arábia Saudita, com US$ 47,3 milhões, e Irã, com US$ 45 milhões.

“O Serviço Federal para Vigilância Sanitária e Fitossanitária da Rússia, órgão que regula a segurança na agricultura do país, anunciou a liberação das importações de carnes suína e bovina do Brasil. A carne brasileira estava embargada no mercado russo desde novembro de 2017 e, desde o embargo, o Brasil deixou de exportar para a Rússia o equivalente a 230,4 mil toneladas, cerca de 40% de tudo o que o país teria exportado no período”, ressaltou o economista.

O grupo “Extrativo Mineral” acumula uma receita de US$ 201,4 milhões no período analisado, aumento de 14% comparado com a somatória de janeiro a outubro do ano passado, sendo que 79,9% desse montante foi alcançado pelos minérios de ferro e seus concentrados, que somaram US$ 123,7 milhões, tendo como principais compradores Argentina, com US$ 119,5 milhões, e Uruguai, com US$ 76 milhões.

“A tonelada do minério de ferro terá preço médio de US$ 59,40 neste ano, inferior ao de uma previsão anterior, de US$ 61,80, e depois cairá para US$ 51,10 em 2019 e US$ 51 em 2020. A calma nos preços surgiu depois que a maior economia da Ásia priorizou uma campanha antipoluição restringindo a oferta de algumas usinas no inverno, beneficiando o minério de maior qualidade. Ao mesmo tempo, as maiores mineradoras ampliaram a produção em novos projetos. Os preços deverão cair como resultado da moderação da demanda e do aumento da oferta, particularmente do Brasil. As importações de minério de ferro da China deverão cair gradualmente a uma taxa anual média de 0,6 por cento durante o período da projeção e atingirão 1,07 bilhão de toneladas em 2020”, detalhou Ezequiel Resende.

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma