ANIVERSÁRIO DE CG PMCG BARTZ

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ LED
domingo, 18 de agosto de 2019

INFLAÇÃO

Inflação oficial fica em 0,19% em julho, menor taxa para o mês em 5 anos

Em 12 meses, IPCA acumulado recuou para 3,22%, permanecendo bem abaixo da meta de 4,25% definida pelo governo para o ano. Queda nos preços de vestuário e combustíveis seguram inflação.

Por: Por Darlan Alvarenga e Daniel Silveira, G108/08/2019 às 09:15
ComentarCompartilhar
Alta no custo da energia elétrica representou praticamente toda a inflação do mês de julho, segundo o IBGEAlta no custo da energia elétrica representou praticamente toda a inflação do mês de julho, segundo o IBGEFoto: Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,19% em julho, segundo divulgou nesta quinta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da menor taxa para julho desde 2014, quando ficou em 0,01%.

 

Com o resultado, o índice acumula alta de 2,42% no ano. Em 12 meses, recuou para 3,22%, ante os 3,37% registrados em junho, permanecendo bem abaixo da meta de 4,25% definida pelo governo para o ano, o que deve reforçar as apostas de novos cortes na taxa básica de juros, atualmente em 6% ao ano – o menor valor da série histórica.

Queda nos preços de vestuário e combustíveis seguram inflação

O grupo de alimentação e bebidas, que tem o maior peso na composição do indicador, ficou praticamente estável na passagem de junho para julho. A alimentação no domicílio teve queda de 0,06%, enquanto a alimentação fora apresentou alta de 0,15%. Entre os produtos que ficaram mais barato, destaque para tomate (-11,28%), feijão-carioca (-8,86%), hortaliças (-4,98%) e batata-inglesa (-3,68%).

Segundo o IBGE, a queda dos preços de vestuário (-0,52%), transportes (-0,17%) e saúde e cuidados pessoais (-0,20%) ajudaram a segurar a inflação no mês.

"A queda [dos preços] em vestuário é explicada pelas promoções por conta das trocas de coleções. Já o transportes foi puxado pela queda nos preços dos combustíveis (-2,79%), principalmente da gasolina (-2,80%), que teve o maior impacto negativo na composição do índice, de -0,12 pontos percentuais", afirmou o gerente da pesquisa.

Segundo o IBGE, a gasolina recuou no país 2,80%, em média, em julho. Já os preços do etanol e do diesel caíram 3,13% e 1,76%, respectivamente.

Conta de luz foi a vilã da inflação de julho

Entre os itens que mais pesaram na inflação de julho, destaque para energia elétrica. As contas de luz ficaram em média 4,48% mais caras para o consumidor. Somente este item teve impacto de 0,17 ponto percentual no índice geral.

"A energia representou praticamente toda a inflação do mês", destacou o gerente da pesquisa.

No grupo Transportes, destaque para as altas das passagens aéreas (18,63%) e das tarifas de ônibus interestadual (5,21%).

Veja a inflação de junho por grupos pesquisados e o impacto de cada um no índice geral:

Alimentação e Bebidas: 0,01% (0 ponto percentual)

Habitação: 1,20% (0,19 p.p.)

Artigos de Residência: 0,29% (0,1 p.p.)

Vestuário: -0,52% (-0,03 p.p.)

Transportes: -0,17% (-0,03 p.p.)

Saúde e Cuidados Pessoais: -0,20% (-0,02 p.p.)

Despesas Pessoais: 0,44% (0,05 p.p.)

Educação: 0,04% (0 p.p.)

Comunicação: 0,57% (0,02 p.p.)

O IBGE calcula a inflação oficial com base na cesta de consumo das famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, abrangendo dez regiões metropolitanas, além dos municípios de Aracaju, Brasília, Campo Grande, Goiânia, Rio Branco e São Luís.

Educação Financeira: por que nem todos sentem a inflação?

Perspectivas e meta de inflação

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância varia de 2,75% a 5,75%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi reduzida na última reunião do Copom para 6% ao ano.

Os analistas das instituições financeiras continuam projetando para o ano uma inflação abaixo do centro da meta central do governo, com uma taxa de 3,80% em 2019.

Para 2020, o mercado financeiro manteve a estimativa de inflação em 3,90%. No próximo ano, a meta central de inflação é de 4% e terá sido oficialmente cumprida se o IPCA oscilar entre 2,5% e 5,5%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC indicou, por meio da ata da reunião realizada na semana passada, que a taxa Selic pode recuar novamente nos próximos meses. O mercado financeiro acredita que o BC continuará reduzindo os juros nos próximos meses. A expectativa dos analistas, ouvidos em pesquisa realizada pela instituição na semana passada, é de que a taxa Selic recue para 5,5% ao ano em setembro, e para 5,25% ao ano em dezembro.

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma