PRE 11
Sábado, 18 de Novembro de 2017

Gustavo Bonfim

Entrevista com Gustavo Bonfim Alonso

Um cara de 33 anos, de origem humilde, tranquilo, servidor público municipal de carreira há quase oito anos, que trabalha desde 15 anos, acadêmico do curso de História, amante de cinema, música, viagens, motos...

Por: Redação29/07/2017 às 09:18
ComentarCompartilhar

 

Gustavo Bonfim Alonso foi acusado 2014 por lesão corporal pela secretária do prefeito Gilmar Olarte na época dos fatos a impressa e redes sociais repercutiram o caso sem ouvir uma das partes que seria Gustavo Bonfim o caso foi parar na justiça onde o mesmo foi inocentado das acusações, Gustavo concedeu uma entrevista ao MS NOTICIAS veja na integra.

 

MS Notícias-   O que realmente ocorreu no dia 14 de maio de 2014, qual você foi acusado por uma colega de trabalho de tê-la agredido?

 Gustavo Alonso -Naquele dia era final de tarde, e trabalhava em um setor, na sede da prefeitura, na Afonso Pena. De repente, comecei a ouvir uma intensa movimentação no Paço, movimento de pessoas, muitos foram em direção ao gabinete do prefeito e, como já era final de expediente, vendo aquele tumulto, disse aos colegas de sala, que iria ver o que estava acontecendo. Foi quando eu saí da sala e vi as pessoas subindo para o gabinete do prefeito, e resolvi ir ver. No trajeto, tem um corredor de uns 3 metros por uns15 metros que chega a antessala do gabinete, passa por mim a pessoa que me acusou indo embora, nada falei, nem me aproximei da mesma. Segui até o gabinete, onde fui informado sobre a liminar que devolvia o mandato a Alcides Bernal, e que estavam ali para intimar o então prefeito Olarte. Após isso, voltei à sala, e fui embora.

MS Notícias -  Então você não ficou sabendo de sua colega te acusou de agressão?

 Gustavo Alonso - Não. Ao voltar para casa, minha esposa veio comunicar que tinha visto posts nas redes sociais que me acusavam desde agressão até assédio sexual e estupro. Entrei em desespero, pois tinha acabado de sair de lá e nada daquilo que falavam nas redes sociais a meu respeito havia acontecido. Por conta disso fui acessar minha página em uma rede social onde verifiquei vários ataques com frases ofensivas e fotos minhas, vários familiares da pessoa que me acusou postando as mentiras e me agredindo através destas postagens. Interpelei algumas tentando colocar a verdade, dizendo que nada daquilo havia acontecido, mas totalmente em vão. Inclusive assessor de imprensa do então prefeito dizia em sua rede social que haviam identificado os “animais humanos” e que me tornaria “noiva no corró” sem ao menos entrar em contato comigo para perguntar a minha versão do fato.

MS Notícias-   E o que você ficou sabendo sobre as acusações da funcionária que disse ter sido agredida? Ela demonstrou a agressão? Que informações chegaram a você?

 Gustavo Alonso - No dia seguinte a maioria dos sites e jornais de Campo Grande noticiou sobre a tal agressão que não ocorreu. Fotos com a funcionária de tala como se tivesse com o braço quebrado e descrições inverídicas de como teria sido agredida por mim foram divulgadas nos órgãos de imprensa. Foi armado um circo pela mídia e, em nenhum momento tentaram entrar em contato comigo para saber o que realmente havia acontecido. Deram a história dela como verdadeira. Fui tomar ciência das lesões que alegava ter ocorrido na data do fato, somente quando ela moveu o processo por danos morais contra mim, no qual juntou apenas atestados médicos de consulta no dia do suposto fato, e o médico informou que, ela teve “uma leve luxação no dorso da mão direita. ” Essa leve contusão, na minha opinião era desnecessário o uso de tala ou enfaixar o braço. Pareceu que o único intuito era de legitimar a história mentirosa para me difamar perante a sociedade. O difícil é aceitar que, praticamente toda imprensa divulgou os fatos sem contrapor a história.

MS Notícias-   Você conhecia a pessoa que te acusou, chegaram a trabalhar juntos?

 Gustavo Alonso - Conheci quando trabalhamos na mesma secretaria a SEDESC ela como motorista e eu como assistente administrativo. Posteriormente ainda na administração de Nelson Trad Filho, ela foi trabalhar como secretária do adjunto da SEDESC. Éramos colegas de trabalho e existia uma relação de respeito, no entanto na eleição de 2012 por declarar que votaria em Bernal, e ela que estava apoiando Giroto,  veio me dizer que eu não devia declarar voto para Bernal, pois poderia “me dar mal”. Após esse incidente não nos falamos mais. Bernal assumiu a prefeitura e depois de algum tempo ela começa a trabalhar no gabinete do então vice-prefeito Olarte.

MS Notícias -  Você disse que recebeu ameaças pela internet, em redes sociais, após a acusação, conte-nos como isso ocorreu?

Gustavo Alonso - Quando cheguei em casa, estava querendo entrar na internet para saber notícias referentes a liminar que colocou Bernal de volta como prefeito, e como disse, minha esposa me recebeu falando o que se comentava de mim nas redes socais. Então eu abri meu Facebook e fui surpreendido pelas acusações que estavam sendo lançadas contra mim. Desde a agressão que a acusadora noticiou sem ter ocorrido, até acusação de assédio. Fui achincalhado, foram criados posts na época com uma foto minha e com frases dizendo que eu era um covarde que agredi e assediei mulheres. Foi horrível, não soube como reagir, naquela noite nem dormi, fiquei apreensivo, pois algumas pessoas mandavam mensagens dizendo que iriam me “surrar” ou que tinha que “morrer”, como forma de desabafo do ódio que estavam sentindo por mim, por uma coisa que não tinha feito.

MS Notícias-  E sua vida, como ficou depois deste episódio, você sofreu processo administrativo pelo fato?

Gustavo Alonso  -Minha vida virou um inferno, no dia seguinte praticamente todas as mídias de Campo Grande e algumas de outras cidades do estado noticiaram que eu havia “quebrado o braço” de uma mulher. Não consegui nem ir para o trabalho, fiquei desesperado. NENHUM veículo de comunicação me procurou ao menos para ouvir minha versão do fato. Procurei ajuda médica e, com quadro de depressão fui afastado, nesse período fui citado em um processo administrativo em virtude da acusação de agressão, queriam que eu confessasse a farsa montada pela acusadora, mas eu disse a verdade, que não agredi a acusadora.

MS Notícias-   Sabemos que em processo cível, a sua acusadora perdeu a demanda, sendo julgado improcedente por falta de provas, como se sentiu com o veredito?

Gustavo Alonso  - A acusadora moveu um processo cível sem provas e sem testemunhas convincentes, desde o início confiei na justiça e sabia que seria inocentado por ter plena certeza que não cometi nenhum ato de agressão contra esta pessoa. Quando fui comunicado do veredito, me senti aliviado havia cumprido mais uma etapa. Agora precisava iniciar os processos para reverter a difamação que virtualmente fizeram do meu nome. Assim movi ações contra diversos órgãos de imprensa que noticiaram o fato, sem consultar minha pessoa, a minha versão, mas, com o processo qual a acusadora não mostrou prova nenhuma, é até desnecessário estas ações, sendo que a imprensa deveria se retratar publicamente do absurdo que me acusaram. Um pai de família, cidadão honesto, que faz parte do corpo de jurado do Fórum, que é doador de sangue, que procura ser um cidadão correto, tive meu nome jogado na lama sem nenhum pudor, e, isto me aborreceu muito. A pior coisa que existe, é falarem de você e você não ter o direito de defesa.

MS Notícias -  você se sente justiçado com a sentença ou ainda sofre com os fatos?

Gustavo Alonso  - Essa é uma marca muito difícil de cicatrizar, ainda sofro muito com a acusação, pois apesar de ter sido inocentado, a notícia sobre minha absolvição não teve nem de perto a mesma repercussão da notícia que tratava da acusação e é isso que estou trabalhando para que aconteça. Aliás, muitos nem noticiaram que o processo de dano moral da acusadora não teve prova alguma. Realmente uma sacanagem!

MS Notícias -  Você teve algum desentendimento com o ex-prefeito Olarte ou com seus aliados, que levou a sua acusadora a lhe imputar fato inverídico?

Gustavo Alonso - Vi o sr. Gilmar Olarte em raras oportunidades o que me leva a crer que não teria motivos diretos que justificassem tal atitude. Porém fazia ferrenha oposição ao seu grupo, mas por questões políticas. A acusadora nutria antipatia pela minha pessoa, e me via como aliado de Bernal, talvez por ter passado por mim no corredor, ou talvez a mando de alguém, - sabe se, lá! – Resolveu criar esta história. O que eu sei, é que a história rendeu dividendos políticos para o Olarte, sendo taxados os apoiadores do Bernal como vândalos e agressivos. No entanto, o Delegado Nagata, descobriu que todos os fatos narrados como vandalismo, não passavam de invenções dos apoiadores de Olarte, tanto é que pediu o arquivamento do inquérito. Para se ter uma ideia, até o computador que haviam dito ter sido “furtado” da prefeitura, era mentira, pois ele estava na oficina de manutenção. Na verdade, não existe nenhum motivo que justifique a invenção de uma acusação tão grave, feita de forma tão covarde, a ponto de ser feito um linchamento moral de uma pessoa, levando a todos acreditarem que uma mentira absurda seja tratada como verdade absoluta.

MS Notícias -   Você disse que sofreu depressão por causa do fato e sofre ameaças, pode nos contar um pouco mais sobre isso?

Gustavo Alonso  -Passei por um quadro de depressão, fiquei afastado por 8 meses do trabalho no ano de 2014 (maio a dezembro). Período extremamente difícil, não gostava de sair de casa, quando precisava ficava amedrontado, receoso, sempre imaginava que estava sendo seguido, tinha medo das ameaças. Certa vez fui ameaçado quando levava meu filho para a escola. Foi uma época bem complicada além dos problemas com relação às notícias havia ainda as piadinhas de algumas pessoas que não me conheciam e apontavam. Saía de casa somente quando era inevitável.

MS Notícias - Você alega que a imprensa noticiou o fato sem lhe consultar para saber a sua versão, e se eram verdadeiros os fatos ocorridos, tem alguma mágoa da mídia?

Gustavo Alonso  - A imprensa noticiou tudo, sem nunca perguntar sobre a minha versão... colocaram nome, sobrenome e, em alguns casos, foto. Tamanho era o desinteresse dos órgãos da mídia em relação ao meu ponto de vista e minha situação, que houve casos que eu era citado como “ex-servidor”, uma vez que sou concursado e em nenhum momento fui afastado compulsoriamente das minhas funções. Me afastei por questão de saúde. E nem isso foi respeitado, entretanto agora os sites e jornais que fizeram a matéria na época terão a oportunidade de publicarem a notícia verdadeira com isso acaba as nossas diferenças e não terei mais nenhum ressentimento com os referidos órgãos de imprensa.

MS Notícias -   A sua acusadora lhe pediu desculpas alguma vez pelas acusações inverídicas?

Gustavo Alonso  - De forma alguma! Em nenhum momento se dirigiu diretamente a mim. Todas as vezes que a vi depois do ocorrido, foi durante as audiências que participamos. E até hoje nunca admitiu que os fatos não ocorreram.

MS Notícias -   E o que Gustavo está fazendo hoje, trabalha, estuda, superou o trauma?

Gustavo Alonso  - Na medida do possível estou dando continuidade à minha vida, estou como funcionário concursado da prefeitura e continuo cursando a faculdade de História, com planos de lecionar em breve. Quanto ao trauma, é algo que ainda me traz problemas, mas acredito que após a retratação de todos que me denegriram e a repercussão virtual da minha inocência, terei novamente o direito de ser um cidadão sem máculas na reputação, poderei me erguer e superar efetivamente esse trauma que assombra minha vida.

MS Notícias -  Se tivesse que mandar um recado a quem acusa as pessoas sem provas o que falaria?

Gustavo Alonso  - Falaria para nunca fazerem isso, que é atitude de pessoas inconsequentes, covardes principalmente nos casos em que a parte for acusada sem provas, não tendo nem ao menos o direito de se defender. Caso tenha qualquer tipo de desentendimento, o mais civilizado é se distanciar e ignorar o alvo da desavença. Procure a própria felicidade a vida do outro não lhe diz respeito.

MS Notícias -   Gustavo, foi muito boa a entrevista, e esperamos ter contribuído para esclarecer as verdades dos fatos, pois o  bullying  midiático no mundo da internet tem feito muitas vítimas sofrerem, deixando marcas pela vida toda, espero que você supere isto.

Gustavo Alonso - Também agradeço a oportunidade de pela primeira vez após 3 anos falar sobre minha versão dos fatos e, o mais importante, é isso se dar após todas as instâncias da justiça terem me inocentado. Quanto as marcas, acredito que de forma definitiva nunca serão superadas, porém estamos iniciando o processo para que sejam amenizadas. Muito obrigado.

Veja mais máterias sobre o fato.

Acusação;

 

 

Deixe seu Comentário

TV MS

08 de Novembro de 2017
Cidadão de Paranaíba diz que Prefeitura quer construir aterro irregular

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 3305.4739
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma