REVIVA PMCG COMPET

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

SEGOV GUERRA CONTRA O MOSQUITO AGILITÁ
sbado, 07 de dezembro de 2019

Acordos

Acordos com a China vão impactar positivamente a balança comercial de MS

China já é o principal parceiro comercial do Estado com 41,5% das exportações

Por: Campo Grande News14/11/2019 às 17:25
ComentarCompartilhar

Os acordos de livre comércio que poderão ser implementados com a China irão impulsionar ainda mais os números de exportação e importação do Mato Grosso do Sul. O país asiático comprou neste ano até outubro do Estado o equivalente US$ 1,8 bilhão em produtos respondendo por 41,5% do total de vendas externas. O maior foco dos chineses está na celulose, que totalizou US$ 994,4 milhões de janeiro a outubro e a soja em segundo lugar, com US$ 746 milhões em vendas no mesmo período. Já o mercado de carnes vêm em terceiro lugar com US$ 49,6 milhões.

 

A China é o maior parceiro comercial do Estado atualmente, assim como do Brasil. Em 2018, o fluxo de comércio entre Brasil e China alcançou a marca de US$ 98,9 bilhões.

Entre os atos assinados esta semana estão protocolos sanitários para exportação de pera da China ao Brasil e de melão do Brasil para a China. Também foi firmado um plano de ação na área de agricultura, de 2019 a 2023, nas áreas de políticas agrícolas; inovação científica e tecnológica; investimento agrícola; comércio agrícola; entre outras.

No setor de transporte, foi assinado memorando de entendimento para o compartilhamento de boas práticas, políticas públicas e estratégias para o seu desenvolvimento. Prioritário para o Brasil, o governo entende que pode se beneficiar da experiência dos chineses, considerando que a China é uma das líderes mundiais no setor.

Carnes

Na terça-feira, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou que 13 plantas frigoríficas foram aprovadas para exportar para a China. Segundo a ministra, foram autorizados 5 frigoríficos produtores de carne suína, 5 de carne bovina e 3 de aves. Um deles está situado em território sul-mato-grossense, o Frigorífico Sul em Aparecida do Taboado.

As nova aprovações ocorrem à medida que o país asiático lida com uma escassez de oferta de carne suína após seu rebanho ter sido reduzido pela peste suína africana. Para a associação que representa os exportadores de carne suína e de frango, ABPA, a habilitação deve ampliar ainda mais a importância da China na pauta exportadora de proteína animal.

Agora, o Brasil passa a contar com 16 plantas habilitadas para exportar carne suína, e 46 plantas para embarques de carne de frango. Desde janeiro deste ano, a China assumiu a liderança entre os principais destinos das exportações da avicultura e da suinocultura do Brasil. Ao todo, 31,4% da carne suína e 13,3% da carne de frango exportadas pelo Brasil em 2019 foram embarcadas com destino à China.

Abertura

Na avaliação do consultor em comércio Exterior Aldo Barrigosse, os acordos representam a possibilidade de mais investimento pelas empresas, mais emprego para a população. “Teremos produtos de melhor qualidade sendo ofertados, pois a tendência é aumentar a concorrência com o livre comércio”, enfatizou.

Ele destaca que a finalidade do livre comércio é reduzir ou eliminar as taxas alfandegárias entre países, com objetivo de estimular o comércio entre os países participantes. “Certamente teremos perda de arrecadação de impostos/taxas pelo lado do Brasil, comparando com a realidade de hoje, mas temos que pensar no longo prazo, que poderemos multiplicar nossas relações comerciais em muitas vezes com eles (China), impactando diretamente em nosso PIB”, avaliou Barrigosse .

Para o consultor o Brasil tem que estar mais aberto para a integração internacional de negócios. “Hoje somos muito fechados. A atual politica brasileira vem trabalhando para maior abertura do nosso País. Quanto mais rápido isso acontecer, mais iremos crescer . Mais investimentos externos, mais renda, mais tecnologia, mais emprego e maior a competitividade das empresas/produtos”, finalizou.

Investimentos

O país asiático também é um dos principais investidores em áreas cruciais no Brasil, como infraestrutura e energia. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, os chineses já mantém uma planta esmagadora de milho, parcialmente finalizada em Maracaju. O projeto do grupo BBCA teve início em 2013 com investimentos de R$ 1,2 bilhão e finalmente deve operar a partir do próximo ano.
A partir de dezembro, a indústria, que produzirá amido de milho, entrará em operação. Está primeira unidade consumiu US$ 100 milhões de dólares em investimentos.
Na cidade o grupo já começou a compra de milho que são armazenados em dois silos, de 60 mil toneladas cada um.

Outro setor que está na mira dos chineses é a logística. O país é um dos fortes candidatos a entrar em investimentos em futuras Parcerias Público Privadas para reativação e construção de ferrovias no País para melhorar o escoamento dos produtos. Os portos também geram interesse, inclusive no Estado. Mas este já é um próximo capítulo da história. 

Deixe seu Comentário

TV MS

05 de dezembro de 2019
Sete bairros da Capital são beneficiados com entrega de UBS no Alves Pereira 

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma