MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

quinta, 14 de novembro de 2019

MEIO AMBIENTE

Governo revoga decreto que proibia cana-de-açúcar no Pantanal e Amazônia

Decreto foi revogado para incentivar investimentos do setor sucroenergético, permitindo o financiamento da cana-de-açúcar, diz Mapa

Por: Tero Queiroz com Blog Ambiência07/11/2019 às 13:08
ComentarCompartilhar
Foto: Daniel Ribeiro / ISA

Um decreto assinado por Bolsonaro e pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Tereza Cristina (Agricultura) nesta quarta-feira (6) liberou o cultivo de cana-de-açúcar no Pantanal e Amazônia, diz blog da jornalista Ana Carolina Amaral, da Folha de São Paulo.  

O decreto presidencial revoga, o decreto de 2009, que estabelecia o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar, prevenindo, entre outras definições, a expansão do cultivo da cana para a Amazônia e o Pantanal, considerados biomas mais frágeis, no entanto, Bolsonaro derrubou o decreto e autorizou a exploração das áreas. 

O governo de 2009, criou o decreto para derrubar qualquer dúvida internacional de que os biomas estavam sendo protegidos, no entanto, agora a derrubada escancara o desrespeito brasileiro com a fauna e flora, patrimônios da humanidade. 

Em nota, o Observatório do Clima afirmou que os dois ministros que assinam a revogação do decreto, “tidos como a ‘ala razoável’ do governo, jogam na lama a imagem internacional de sustentabilidade que o etanol brasileiro construiu a duras penas”, alertou.

Para assessores do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) ouvidos pelo blog Ambiência, a revogação do decreto não significa permissão para novos desmatamentos.

Conforme justificou os ministérios, de Tereza e Guedes, o desmate já estaria inibido pelo Código Florestal e pelo programa Renovabio – que concede incentivos para produção de biocombustível, excluindo do programa produções obtidas em áreas desmatadas após 2018.

Segundo fontes do Mapa, o decreto foi revogado para incentivar investimentos do setor sucroenergético, permitindo o financiamento da cana-de-açúcar nos casos em que ela poderia ser mais eficiente do que outras opções de biocombustíveis já autorizadas nesses biomas.

“O zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar teve seu papel no passado e ficou justamente lá, um passo atrás, servindo apenas como mais um dos tantos arcabouços burocráticos brasileiros diante da modernidade do Código Florestal e do comprometimento absoluto do setor em avançar”, disse em nota o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Evandro Gussi.

Nos últimos anos, as delegações brasileiras nas conferências de clima da ONU incluíram forte representação do setor, que busca, junto ao Ministério da Agricultura e ao Itamaraty, promover os biocombustíveis como uma solução de curto prazo para a transição energética necessária ao cumprimento do Acordo de Paris. A defesa brasileira da produção sem desmatamento deve ser conferida pelos pares internacionais na próxima COP do Clima, em dezembro.

Deixe seu Comentário

TV MS

30 de outubro de 2019
Árvores plantadas na nova 14 de Julho darão frescor ao Centro

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma