TIC TAC
segunda, 23 de abril de 2018

Juíza de Curitiba aceita pedido de senadores para vistoriar prisão de Lula

Por: Congresso em Foco17/04/2018 às 07:15
ComentarCompartilhar
Foto: Jonas Pereira / Agência Senado

A juíza substituta da 12ª Vara Federal de Curitiba, Carolina Moura Lebbos, autorizou nesta segunda-feira (16) um grupo de senadores a fazer vistoria na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense, onde o ex-presidente Lula cumpre pena desde o dia 7. Na decisão, a magistrada faz menção aos termos da resolução que autoriza a diligência, aprovadapela Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado na última quarta-feira (11), com o objetivo de examinar a situação do encarceramento do petista.

Mas Carolina Lebbos, a quem cabe tomar as decisões relativas à execução penal de Lula, não deixa claro se o grupo parlamentar estará autorizado a se reunir com o ex-presidente – não há justificativa para que o encontro seja vetado, diz a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), autora do requerimento da CDH que viabiliza a diligência. “Nós queremos essa possibilidade de conversar com o ex-presidente Lula. A não ser que eles evacuem a sala, tirem o ex-presidente de lá e o escondam para nós entrarmos. Mas aí não tem o menor sentido”, ponderou a parlamentar.No despacho, a magistrada faz duas ressalvas. Uma delas deixa claro que inexistem, em seu juízo, denúncias de maus tratos ou violação de direitos a Lula ou a qualquer outro detento no cárcere da PF. A outra, pertinente à decisão da CDH, diz que os senadores não apontaram justificativa para a realização da vistoria.

Carolina Lebbos determina ainda que a CDH, “considerando a necessidade de preservação da segurança e funcionamento do estabelecimento”, defina quais senadores participarão da visita a Lula, prevista para 14h desta terça-feira (17). Nos termos da resolução aprovada na CDH do Senado, a lista da diligência inclui, além de Vanessa Grazziotin, Ângela Portela (PDT-RR), Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE), João Capiberibe (PSB-AP), José Pimentel (PT-CE), Lídice da Mata (PSB-BA), Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA), Regina Sousa (PT-PI), Roberto Requião (PMDB-PR) e Telmário Mota (PTB-RR).

A juíza também determina, na mesma decisão, prazo para que o Ministério Público Federal (MPF) se posicione a respeito de outros pedidos de visita a Lula. Entre eles estão o ex-senador Eduardo Suplicy (PT), atualmente vereador por São Paulo; o ex-ministro Ciro Gomes, pré-candidato do PDT à Presidência da República; o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi; além dos deputados federais André Figueiredo (PDT-CE) e Zeca Dirceu (PT-SP).

Por desejo de Lula, sua defesa vai requer formalmente a inclusão do nome de Gleisi Hoffmann, que é advogada, na relação de advogados autorizados a visitá-lo durante a execução da pena, da qual ainda cabem recursos. Nessa condição, a senadora que é presidente nacional do PT, poderia desempenhar com mais eficácia a função, também designada por Lula, de ser uma espécie de porta-voz do ex-presidente com fins eleitorais, enquanto ele estiver preso e à medida que se aproxima o pleito de outubro. Como se sabe, defensores de presos têm acesso livre ao cliente, a qualquer tempo dentro do horário pré-estabelecido pela unidade prisional.

Acompanhamento prisional

Carolina Lebbos tem um papel chave no cotidiano de Lula enquanto ele estiver preso em Curitiba. É a juíza quem determina as condições de tratamento dispensado ao petista, o que lhe será permitido fazer durante a reclusão e quais serão as regras da progressão penal – de regime inicialmente fechado para semiaberto, por exemplo. É ela também a responsável por calcular a redução de pena por bom comportamento, por exemplo.

É de Carolina também a tutela do processo de execução penal do empresário Marcelo Odebrecht, delator da Lava Jato que, recentemente, progrediu para o regime de prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. A concessão do benefício a Marcelo foi avalizada por Carolina depois de o ex-presidente da Odebrecht ter cumprido dois anos e meio de cadeia em Curitiba.

Ameaça

A prisão de Lula tem provocado uma reviravolta no mundo político desde a noite da última quinta-feira (5), quando o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, expediu a ordem de execução penal com prazo de apresentação voluntária, em deferência ao cargo exercido pelo petista. Tão logo o mandado de prisão foi levado a público, militantes, parlamentares, advogados, representantes de classe e movimentos sociais deram início a uma vigília, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (São Bernardo do Campo), que duraria até o início da noite de sábado (7), quando o ex-presidente se apresentou espontaneamente à Polícia Federal.

Nas mais de 48 horas de mobilização, em que a resistência de Lula à prisão chegou a ser cogitada, o petista fez discurso, participou de missa em homenagem à sua ex-esposa, Marisa Letícia, e foi carregado pela militância em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Durante a vigília, artistas, dirigentes partidários e políticos do campo da esquerda se reuniram com o ex-presidente e lhe manifestaram solidariedade, dando início ao movimento informalmente intitulado “Lula livre”.

No momento mais tenso da jornada de dois dias, militantes chegaram a quebrar um dos portões do sindicato na tentativa de impedir Lula de deixar o prédio rumo à prisão (veja o vídeo). Àquela altura, em que as negociações entre a PF e a defesa de Lula eram tensas e não previram a reação popular, temeu-se confronto físico com consequências imprevisíveis. Ao final, diante da impossibilidade de saída do carro do ex-presidente, Lula deixou o sindicato a pé e foi acompanhado por um cordão humano até um dos carros da PF.

Deixe seu Comentário

TV MS

15 de março de 2018
Grande Circuito Rodeio em Touros acontece na Capital

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 3305.4739
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma