AL 11
sexta, 16 de novembro de 2018

HIV

OPAS e UNAIDS pedem intensificação dos esforços de prevenção ao HIV

Por: ONU06/11/2018 às 14:25
ComentarCompartilhar

Um novo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) mostra que ampliar o acesso a todas as opções de prevenção ao HIV disponíveis atualmente reduziria o número de novos casos do vírus na América Latina e no Caribe — que se mantêm em 120 mil por ano desde 2010.

Lançado às vésperas do Dia Mundial da AIDS, o relatório "Prevenção ao HIV em Foco — Uma Análise da Perspectiva do Setor de Saúde na América Latina e no Caribe" analisa avanços e desafios enfrentados pelos sistemas de saúde para prevenir a transmissão do HIV.

"O progresso na luta contra a AIDS na América Latina e no Caribe tem sido importante, com grandes reduções nas infecções infantis, melhoras no tratamento e diminuição do número de mortes relacionadas à doença.

No entanto, ainda não alcançamos o impacto desejado em termos de novos casos entre adultos", afirmou Carissa F. Etienne, diretora da OPAS.

"Evitar novas infecções requer a intensificação dos esforços e que as pessoas mais vulneráveis tenham acesso a todas as opções e novas tecnologias de prevenção existentes em um ambiente livre de discriminação."

O relatório recomenda levar adiante o enfoque de prevenção combinada, que é baseado em evidência científica, respeitando os direitos humanos e a não discriminação, incluindo três elementos: a ampla oferta de intervenções biomédicas mais apropriadas aos usuários, a promoção de comportamentos saudáveis e o estabelecimento de ambientes que facilitem o acesso e a adoção de medidas de prevenção.

Segundo o relatório e os dados do UNAIDS, a maioria (64%) dos novos casos de HIV ocorrem entre gays e outros homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo e seus clientes, mulheres trans, pessoas que injetam drogas e casais que fazem parte desses grupos-chave da população.

Além disso, um terço das novas infecções ocorre em jovens com idade entre 15 e 24 anos.

"Reduzir as novas infecções por HIV entre os principais grupos-chaves e as populações mais vulneráveis, incluindo mulheres e jovens, exigirá ações de prevenção ao HIV específicas e de alto impacto, acesso aos testes, tratamento para todos e ações conjuntas contra a discriminação", defendeu o diretor regional do UNAIDS para América Latina e Caribe, César Núñez.

Além disso, ele acrescentou que é igualmente importante ter "um compromisso inabalável com o respeito, com a igualdade de gênero e a proteção e promoção dos direitos humanos, incluindo o direito à saúde".

Oferta de uma variedade de métodos de prevenção

Atualmente, existem numerosas opções de prevenção cientificamente comprovadas que os serviços de saúde podem oferecer à população para prevenir a infecção e proteger sua saúde.

Entre elas, o autoteste, que pode ser feito em casa, e a expansão da oferta de testes fora dos estabelecimentos de saúde.

Na América Latina, duas em cada dez pessoas com HIV e quatro em dez no Caribe não sabem que têm o vírus, o que representa uma melhoria em relação ao ano passado.

O diagnóstico precoce melhora a qualidade de vida das pessoas com HIV e também contribui na prevenção de novas infecções.

Outras recomendações são o fornecimento de profilaxia pré-exposição (PrEP) para pessoas que estão em alto risco de contrair HIV e a oferta da profilaxia pós-exposição (PEP) em situações de emergência, incluindo por meio de relação sexual consentida com o(a) parceiro(a) de sorologia desconhecida ou positiva.

As Américas têm sido pioneiras na realização de pesquisas que apoiaram a recomendação de 2015 da OMS de incorporação da PrEP. No entanto, apenas três países da região a oferecem atualmente.

O relatório defende a distribuição de preservativos e lubrificantes, a oferta de teste para sífilis ao mesmo tempo em que se oferece o teste para HIV, bem como o acesso universal ao tratamento, algo que melhora significativamente a saúde das pessoas com HIV e reduz o risco de infecção de seus parceiros.

O documento também recomenda a promoção de atividades de divulgação em comunidades lideradas por pares e a prestação de informações e educação sobre saúde sexual.

A publicação adverte ainda sobre a dependência dos fundos internacionais para levar adiante ações de prevenção (como educação e a provisão de preservativos e testes por ONGs) para os grupos populacionais-chave, destacando também o papel decisivo que a sociedade civil pode desempenhar para tornar a resposta ao HIV mais efetiva, particularmente na área de prevenção.

Nesse sentido, o relatório solicita que governos, sociedade civil e organizações internacionais trabalhem em parcerias para acelerar a introdução de novas tecnologias de prevenção, ampliar a disponibilidade de opções para isso e garantir o acesso universal a esses serviços para reduzir novas infecções e acabar com a epidemia de AIDS até 2030.

Epidemia de AIDS na América Latina 2016

Cerca de 1,8 milhão (de 1,4 milhão a 2,1 milhões) de pessoas viviam com HIV na América Latina em 2016. Aproximadamente 97 mil (79 mil – 120 mil) novas infecções por HIV ocorreram na região. Esse número se manteve estável entre 2010 e 2016.

Na América Latina, cerca de 36 mil pessoas (28 mil a 45 mil) morreram por doenças relacionadas à AIDS no ano passado. Entre 2010 e 2016, o número de óbitos relacionados à AIDS na região diminuiu 12%.

A cobertura do tratamento atingiu 58% (42% – 72%) de todas as pessoas que viviam com HIV na América Latina no ano passado.

Epidemia de AIDS no Caribe 2016

Cerca de 310 mil (280 mil – 350 mil) pessoas viviam com HIV no Caribe em 2016. Aproximadamente 18 mil (15 mil – 22 mil) novas infecções por HIV ocorreram na região e cerca de 9,4 mil (7,3 mil – 12 mil) morreram por doenças relacionadas à AIDS no Caribe.

Entre 2010 e 2016, o número de mortes relacionadas à AIDS no Caribe diminuiu 28%. A cobertura do tratamento atingiu 52% (41% – 60%) de todas as pessoas que vivem com HIV na região. Menos de 1 mil novas infecções por HIV ocorreram entre crianças no Caribe.

Deixe seu Comentário
Grupo de Teatro em Campo Grande - MShttps://www.facebook.com/grupoteatralfaltaum/

TV MS

04 de novembro de 2018
Entrevista - Alessandra Maestrine e Mirna Rubim falam sobre o espetáculo 'O Som e a Sílaba'

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 3305.4739
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma