ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ HABITAÇÃO

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ LED
sbado, 24 de agosto de 2019

Reviva Campo Grande

Seminário de Educação Patrimonial aborda o projeto Reviva Campo Grande

Por: Karina Lima15/08/2019 às 15:09
ComentarCompartilhar

Com debate sobre requalificação urbana que acontece na região central de Campo Grande, começou nesta desta quinta-feira (15.08), no auditório da Faculdade Instead, o IX Simpósio Estadual de Educação Patrimonial e III Seminário Municipal de Patrimônio Cultural. Até esta sexta-feira, arquitetos e urbanistas, profissionais da construção, gestores e cidadãos discutem a maneira de se atuar em edificações, objetivando também a valorização da cultura através da arquitetura edificada. 

O diretor da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), Max Freitas, representando a diretora-presidente da Fundação, Mara Caseiro, agradeceu a toda a equipe organizadora do evento e a parceria com demais instituições: “Seminários como esse dão trabalho para organizar, mas dão resultado. Obrigado pela parceria com a Sectur, a Prefeitura, a Faculdade Instead e o Instituto dos Arquitetos do Brasil, e a Planurb. Acredito que Educação Patrimonial deve ser discutida desde o Ensino Médio, não só a partir das universidades. Para isso, a Fundação de Cultura está à disposição.  Nossa parceria com a Prefeitura de Campo Grande continua aberta”.

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, fez uma breve explanação sobre o projeto Reviva Campo Grande e incentivou as discussões sobre o assunto. “Existem momentos que só Deus pode explicar. Estamos reunidos aqui hoje por uma mudança, uma transformação. A Arquitetura e a Engenharia podem mudar nossa cidade. Campo Grande completa 120 anos e neste momento, agradecemos por aqueles que planejam o desenvolvimento de uma cidade”.

Foi realizada uma homenagem póstuma ao arquiteto José Marcos da Fonseca, que estava escalado para participar do seminário. A placa que o homenageia foi recebida pela viúva, Maria Elaine. “Ele era apaixonado pelo patrimônio histórico”, diz. O prefeito completou: “Era uma pessoa à frente do seu tempo, que pensava no passado. Deixou um legado de bondade e sabedoria pelos caminhos que percorreu”.

A primeira palestra, sobre o projeto Educa Iphan, foi ministrada pelos técnicos do órgão, o historiador José Augusto Carvalho dos Santos e o arquiteto André Vilela, representando a superintendente Maria Clara Scardini, que não pôde comparecer devido a um compromisso de última hora no Rio de Janeiro.

Em seguida, a coordenadora central de Projetos da Prefeitura Municipal de Campo Grande, Catiana Sabadin Farmarrenho, falou sobre o programa Reviva Campo Grande. “ Este programa que está mudando a área central. O objetivo é muito maior do que apenas uma revitalização; é resgatar o sentimento de pertencimento da população com relação ao centro da cidade, resgatar sua memória afetiva”.

Neste Programa de investimento e financiamento, o Reviva Campo Grande, estão envolvidos US$ 56 milhões do BID e o mesmo valor de contrapartida da Prefeitura, com taxa de juros de 2,74% ao ano, carência de cinco anos e meio e amortização de 25 anos. Entre as ações do projeto está a requalificação da rua 14 de Julho e transversais: conversão de cinco para duas pistas de rolamento, projeto de embutimento da rede elétrica e retirada dos postes (que consome 40% dos recursos), colocação de iluminação de led, novas calçadas, paisagismo com árvores de grande porte, tudo nos 1.400 metros da rua, desde a Fernando Corrêa da Costa até a avenida Mato Grosso.

Farmarrenho explica que também no quadrilátero da área central que abrange a rua Padre João Crippa, a Calógeras, a Fernando Corrêa da Costa e a Mato Grosso, será feito recapeamento do asfalto, paisagismo com renovação da vegetação, iluminação e a construção de uma rota cicloviária, visando melhorar a circulação de pedestres. “Pretendemos deixar de priorizar o carro para que a cidade seja priorizada por pessoas”, diz.

Outra ação do projeto é a construção de unidades habitacionais no centro da cidade, além da ampliação e melhoria do sistema de transporte público. Para isso, estão sendo adquiridos terrenos na região central, e a ideia é construir casas com projeto arquitetônico demelhor padrão estético, diferente do modelo ”caixote” das casas populares.

O Reviva Campo Grande também prevê a restauração dos prédios históricos do centro. Segundo Farmarrenho, são mais de 100 imóveis com interesse histórico no centro, 35 só na rua 14 de Julho. A arquiteta da Gerência de Patrimônio Histórico e Cultural da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Cláudia La Picirelli de Arruda, afirma que a Fundação de Cultura está sendo procurada por comerciantes dessa área solicitando esse trabalho de restauração: “Neste projeto inicial da Prefeitura não foram contempladas fachadas, só infraestrutura urbana. Está emergindo a necessidade de essas coisas andarem juntas. Está aqui o presidente do IAB, Nivaldo Vieira de Andrade, que já fez vários trabalhos de restauração de fachadas, para contribuir com sua experiência. Estamos propondo uma discussão em cima desses projetos. O Centro da Cidade de Campo Grande é considerado uma  Zona Especial de Interesse Cultural (Zeic), pois os imóveis são patrimônios culturais, mesmo não sendo tombados, são edificações antigas.

Essas discussões continuam na tarde desta quinta e também durante toda a sexta-feira. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no link http://bit.ly/EventoPatrimônio . O evento acontece na Faculdade Insted, localizada na Rua 26 de agosto, nº 63, Centro. Mais detalhes sobre a programação você confere clicando aqui.

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma