ANIVERSÁRIO DE CG PMCG BARTZ

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ LED
domingo, 18 de agosto de 2019

PARALISAÇÃO

Escolas públicas aderem à paralisação nacional e alunos ficam sem aula

Em nota, a ACP informou que os profissionais da Educação Pública aderiram à paralisação, com decisão em assembleia

Por: Viviane Oliveira e Clayton Neves13/08/2019 às 09:12
ComentarCompartilhar
Cartaz afixado no portão da escola informa sobre a paralisaçãoCartaz afixado no portão da escola informa sobre a paralisaçãoFoto: (Foto: Henrique Kawaminami)

A maioria das escolas municipais e estaduais de Campo Grande aderiu nesta terça-feira (13) à Paralisação Nacional em Defesa da Escola Pública. Das cinco instituições que o Campo Grande News visitou apenas uma manteve as aulas.

Um cartaz afixado no portão da Escola Municipal Professor Arlindo Lima, na Rua Barão do Rio Branco, informava os pais e alunos sobre a paralisação. “As aulas desse dia serão repostas no dia 14/09 (sábado). As avaliações de hoje serão transferidas para a terça-feira da semana seguinte”.

Dois estudantes chegaram a ir, mas encontraram os portões fechados. Aluno do 7º ano, e preocupado com a prova de Inglês e Matemática, Adinelson Carneiro, 12 anos, contou que a escola avisou sobre a paralisação, mandou bilhete, mas ele acabou esquecendo. “A prova foi transferida para amanhã. Agora, vou esperar a minha irmã vir me buscar”.

Na Escola Estadual Joaquim Murtinho, apenas os professores aderiram à paralisação. Duas funcionárias do setor administrativo que chegavam para trabalhar disseram que a direção encaminhou bilhete para os alunos e os pais informando sobre a greve. Até as 7h, nenhum aluno havia aparecido no colégio. Na Escola Estadual Vespasiano Martins, na Rua 13 de Maio, a situação era a mesma. Só os administrativos foram trabalhar.

A direção da Escola Estadual Coração de Maria, que fica na Rua Doutor Aníbal de Toledo, manteve as aulas. O pai de um aluno do 3º ano do Ensino Médio aprovou a postura da escola. “Meu filho estuda aqui há 3 anos. Desde então nunca presenciei paralisação aqui. Enxergo isso com bons olhos. Ponto positivo para a direção”, afirmou.

Na Escola Municipal Padre José Valentim, na Rua das Violetas, no Jardim Jóquei Club, três professoras que iriam assumir a educação especial nesta manhã encontraram os portões fechados. Duas delas, Denise Araújo, 45 anos, e Nilza Fernandes, 40 anos, disseram que não foram avisadas sobre a paralisação e aguardavam para falar com a diretora.

Ações - O dia será marcado por passeatas e debates. Às 8h, os professores se reúnem em frente à ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), localizada na Rua 7 de Setembro. Na sequência, farão passeata pelo Centro. A paralisação terá, entre outras pautas, os recentes cortes no orçamento do Ministério da Educação.

Segundo a CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), as universidades e institutos federais estão entre os mais afetados, mas a educação básica também pode ser prejudicada. Um novo bloqueio no orçamento do MEC no valor de R$ 348 milhões, divulgado nesta quarta-feira (7), afetará a compra e a distribuição de centenas de livros didáticos que atenderiam crianças do ensino fundamental de todo o país. No dia 22 de março, os professores fizeram manifestação, também contra a reforma da previdência e cortes da Educação.

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma