MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

terça, 25 de junho de 2019

'TROCA TROCA'

Bolsonaro demite general Santos Cruz, e outro militar assume Secretaria de Governo

Militar que comanda a pasta teve atritos com filhos e guru do presidente

Por: Thais Arbex Daniel Carvalho Talita Fernandes14/06/2019 às 09:20
ComentarCompartilhar
O ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro, General Santos CruzO ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro, General Santos CruzFoto: Pedro Ladeira/FolhaPress

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz foi demitido nesta quinta-feira (13) da Secretaria de Governo da Presidência da República pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

A queda do ministro, antecipada pela Folha, é a terceira no primeiro escalão em menos de seis meses de mandato. 

O porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, confirmou que Santos Cruz será substituído pelo general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, que é comandante militar do Sudeste.

Desde que chegou ao Planalto, em janeiro, Santos Cruz se envolveu em seguidas crises com os filhos do presidente, além de um embate com o escritor Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro. A comunicação de governo era um dos principais pontos de disputa. ?

Santos Cruz foi avisado de sua demissão em reunião com o presidente e com o ministro Augusto Heleno, chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que ocorreu 12h20 no Palácio do Planalto, pouco antes de Bolsonaro decolar para Belém para uma agenda de governo.

Mais tarde, o general divulgou uma carta com agradecimentos e desejou  "saúde, felicidade e sucesso" a Bolsonaro "e seus familiares". O presidente, por sua vez, informou que a demissão "não afeta a amizade, a admiração e o respeito mútuo".

Antes de Santos Cruz, já haviam sido demitidos por Bolsonaro os ministros Gustavo Bebianno (Secretaria Geral), por causa da crise das candidaturas de laranjas do PSL, e Ricardo Vélez Rodríguez (Educação), pelas falhas de gestão na pasta.

No caso de Bebianno, a queda também ocorreu em meio a embate com a ala ideológica do governo e após ataques do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), estrategista do presidente nas redes sociais. 

Auxiliares do presidente disseram que a decisão de demitir Santos Cruz já estava tomada no início desta semana e que pesou a avaliação de que ele se opunha às decisões do núcleo duro do governo.

Desde que Fabio Wajngarten assumiu o comando da Secom (Secretaria de Comunicação), em abril, a avaliação no Planalto é a de que houve uma guinada no setor, aumentando a dissonância com Santos Cruz —que, por exemplo, se opunha a investir na campanha publicitária da reforma da Previdência.
A Secom está subordinada à Secretaria de Governo.

Em 28 de maio, Wajngarten foi ao Senado e, sem citar Santos Cruz, explicitou que vinha tentando ganhar espaço no governo.

"Toda linha geral de estratégia de comunicação eu compartilho com o presidente. À medida que o tempo vai passando, vamos ganhando nosso espaço. Nem tudo são flores. A gente ainda tem muito para corrigir. Entendo que há equívocos ainda na comunicação", disse o secretário à época.

Vice-presidente e general da reserva do Exército, Hamilton Mourão.  

A relação entre Santos Cruz e Wajngarten sempre foi distante. Embora a Secom esteja formalmente subordinada ao ministério, assessores palacianos disseram à Folha que o comportamento do secretário sempre foi visto como de alguém "insubordinado".

Episódio recente que gerou atrito entre eles foi a nomeação de um auxiliar do general como presidente do Conselho de Administração da EBC. 

O coronel Nilson Kazumi Nodiri, que era assessor especial da Secretaria de Governo, assumiu o cargo. Tradicionalmente, o posto era ocupado pelo Secretário de Comunicação do Planalto.

Outro desgaste ocorreu em torno das disputas dentro do governo sobre regulamentação de veículos de imprensa. 

Santos Cruz concedeu entrevista no início de abril à rádio Jovem Pan na qual comentou sobre a necessidade de evitar distorções nas redes sociais.

Ele afirmou ainda que a influência das mídias sociais é benéfica, mas também pode "tumultuar". Para ele, é necessário ter cuidado com a sua utilização, evitando ataques e o seu uso como "arma de discórdia".
Bolsonaro reagiu. Em mensagem publicada em sua conta oficial no Twitter, ele escreveu que recomenda "um estágio na Coreia do Norte ou em Cuba" para quem defender uma espécie de controle do conteúdo divulgado.

Já o guru Olavo de Carvalho foi explícito ao endereçar as críticas. "Controlar a internet, Santos Cruz? Controlar a sua boca, seu merda", escreveu. 

O ministro general reagiu às ofensas de Olavo aos militares que hoje trabalham no Palácio do Planalto, em especial o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB).

“Eu nunca me interessei pelas ideias desse sr. Olavo de Carvalho”, disse Santos Cruz à Folha. Nem a forma nem o conteúdo agradam a ele", afirmou. “Por suas últimas colocações na mídia, com linguajar chulo, com palavrões, inconsequente, o desequilíbrio fica evidente”, criticou o ministro, em março.

ARTICULAÇÃO

Além da disputa em torno da comunicação, pessoas próximas a Bolsonaro — principalmente as ligadas aos filhos do presidente— apontavam insatisfação quanto a atuação do general na articulação política, outra atribuição do posto. 

Parlamentares do centrão afirmavam que ele não se encaixava na função por não ter carta-branca de Bolsonaro, ficando engessado e irritando deputados e senadores.

Por outro lado, aliados presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disseram que o deputado tinha um ótimo diálogo com Santos Cruz e que avaliava que ele teria ido bem no posto se Bolsonaro tivesse entregado, de fato, a atribuição a ele.

Na manhã desta quinta-feira, Santos Cruz esteve na CTFC (comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle). Foi convocado para explicar a divulgação, em 31 de março, de um vídeo que enaltecia o golpe militar.

Ele atribuiu o episódio a um descuido de um funcionário.

Após a comissão, sua assessoria informou aos jornalistas que ele não teria muito tempo para falar, pois havia sido chamado pelo presidente ao Palácio do Planalto.

Respondeu a apenas quatro perguntas, a maioria sobre a crise envolvendo o ministro Sergio Moro (Justiça), mas limitou-se a condenar a invasão das conversas do ex-juiz da Lava Jato.

Como novo chefe da Secretaria de Governo, o general Ramos integrará a ala militar do Planalto, composta também por Heleno, o vice-presidente, Hamilton Mourão, e os generais Otávio Rêgo Barros, porta-voz, e Floriano Peixoto, chefe da Secretaria-Geral da Presidência. 

QUEM É O GENERAL LUIZ EDUARDO RAMOS BATISTA PEREIRA, QUE ASSUMIRÁ A SECRETARIA DE GOVERNO  

Chefe do Comando Militar do Sudeste desde maio de 2018, comandou a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah) de 2011 a 2012. Também já foi vice-chefe de Estado-Maior do Exército e comandou a 11ª Região Militar, em Brasília, e a 1ª Divisão de Exército, no Rio de Janeiro (RJ).

Em abril, Bolsonaro participou de uma solenidade no Comando Militar do Sudeste, em São Paulo, ao lado de Ramos e falou sobre a convivência com o novo ministro em uma unidade em Campinas : "Meu amigo dos idos 1973, quando sentamos praça em março de 73, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército."

"Pouca coisa mudou entre nós de lá para cá a não ser a nossa silhueta. A vontade, o espírito e o patriotismo continuam os mesmos."

*Folha de S. Paulo 

Deixe seu Comentário

TV MS

14 de junho de 2019
Atrizes de espetáculo em cartaz há 19 anos falam dos bastidores

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma