PRESTAÇÃO DE CONTAS

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

REVIVA
terça, 23 de abril de 2019

Entrevista

Contratos de comunicação serão revistos, diz chefe do governo

Orçamento da Secretaria de Comunicação para este ano é de R$ 150 milhões

Por: GUSTAVO URIBE13/01/2019 às 08:30
ComentarCompartilhar
Foto: © Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, afirma que fará uma revisão em todos os contratos de serviços de comunicação da Presidência da República.

Hoje, a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), subordinada ao general, dispõe de quatro grandes contratos, renováveis anualmente, que envolvem áreas como assessoria de imprensa (nacional e internacional) e mídias digitais. O orçamento aprovado para este ano foi de R$ 150 milhões.

À reportagem, o ministro disse ainda que estuda uma fusão da grade de programação da TV Brasil e da TV NBR. Ele também afirmou não ver erro na exoneração em massa de servidores promovida pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que afetou o funcionamento da pasta. "Uma semana não altera a vida do país."

Pergunta - Os contratos de comunicação do Planalto serão revistos?

Carlos Alberto dos Santos Cruz - Claro. Eu vou rever todos. Sem dúvida, isso aí é uma obrigação, principalmente quando você está começando uma administração. Não é desconfiança do que passou. É obrigação funcional.

P - Pretende fazer nova licitação?

CASC - Alguns podem ser renovados e outros não podem por questão de prazo. Se não ficar convencido que a extensão é necessária, faço outro.

P - Neste início de governo, houve impasse e crise entre integrantes da equipe ministerial. Está faltando um porta-voz?

CASC - É óbvio que um porta-voz é essencial. Ainda não tem, mas vai ter. Um desencontro ou outro também não quer dizer que não tem harmonia ou integração.

P - Como deve ser a nova estrutura da EBC (Empresa Brasil de Comunicação)?

CASC - Você tem de ver qual a estrutura que precisa para o objetivo que quer atingir. Hoje, a EBC tem um efetivo de 2.025 pessoas. Vamos ver se é o necessário ou pode ser reduzido. Agora, para fazer redução, vai ter de respeitar a legislação e os funcionários.

P - Quais veículos da EBC pretende extinguir?

CASC - A EBC tem duas televisões e oito rádios. Vamos ver o que é necessário. Aquilo que não for, fecha.

P - A ideia é ficar com uma televisão e uma rádio só?

CASC - Sobre a rádio não posso falar isso, porque estão distribuídas no Brasil e preciso dar uma olhada na área que cobrem. E a televisão vamos ver a programação se dá para juntar tudo em uma só.

P - Vai fundir o conteúdo das duas em uma só?

CASC - É, vamos ver o que dá para fazer. Agora, a ideia geral é racionalizar. Isso aí vamos fazer em curto prazo.

P - O presidente Jair Bolsonaro fez um discurso dizendo que vai mudar a forma de distribuição da verba publicitária aos veículos de imprensa. Que critério será adotado?

CASC - Verba de publicidade não é distribuição de dinheiro para as agências de publicidade. Tem de fazer publicidade só naquilo que é realmente essencial. Primeira coisa, reduzir.

P - O critério técnico de distribuição baseado em audiência e tiragem será mantido?

CASC - A audiência é um dos critérios. O outro é o assunto que estou tratando e a área que quero atingir. Qual é o público que quero atingir.

P - O monitoramento de organizações da sociedade civil, como prevê medida provisória editada no dia 1º de janeiro, representa uma tentativa de controle da sociedade?

CASC - Não, não tem nada a ver com controle. Isso aí tem a ver com coordenação, resultado e transparência. Isso não significa interferência, engessamento. Isso aí significa aplicação boa do dinheiro público.

P - Um grupo de entidades reclamou da medida.

CASC - Já estamos fazendo contato para convidá-las [para uma audiência]. Há muitas organizações boas que podem fazer um trabalho bom.

P - O sr. está aberto a receber entidades que foram criticadas pelo presidente, como o MST?

CASC - O MST não tem problema nenhum, pode vir. Só não pode confundir com tolerância ou reconhecimento da validade de certas coisas. Aquilo que é crime é crime. Você incendiar propriedades, destruir maquinário, invadir locais e agredir pessoas. Isso tudo é crime.

P - As regras previdenciárias para militares devem ser também alteradas?

CASC - Todas as categorias, em uma hora dessas, passam por uma revisão. Não vejo nada de especial no militar neste momento. Só que o sistema não é como o geral, segue outros padrões. Mas sem dúvida nenhuma todo mundo vai ser motivo de atenção.

P - Foi exagerada a medida adotada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de demitir todos os funcionários da pasta dele em cargos comissionados?

CASC - Não, foi simplesmente uma questão de opção. Há duas opções: demite todo mundo, vai fazendo entrevistas e retorna com alguns ou, como o que nós adotamos, que entrevista todo mundo e vai dispensando alguns.

P - Mas esse método da Casa Civil paralisou muita coisa na máquina pública.

CASC - Uma semana não altera a vida do país.

P - O sr. defende o rompimento das relações diplomáticas com a Venezuela?

CASC - Não vou falar pela política exterior, mas não defendo rompimento diplomático. Acho que o Brasil tem de condenar de maneira séria um governo que já fez sair de seus país 3 milhões de cidadãos.

CARLOS ALBERTO DOS SANTOS CRUZ, 66

Ministro da Secretaria de Governo

General da reserva, foi secretário nacional de Segurança Pública, entre 2017 e 2018, e comandou missões das Nações Unidas no Haiti e no Congo. É formado em engenheiro civil pela PUC Campinas. Como o presidente Jair Bolsonaro, graduou-se na Academia Militar das Agulhas Negras. Com informações da Folhapress.

Deixe seu Comentário

TV MS

03 de abril de 2019
Revoada de balões em alusão ao Dia Mundial de consciencização ao autismo

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma