ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ HABITAÇÃO

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ LED
domingo, 18 de agosto de 2019

TÓXICO

Cresce o número de venenos usados no País e órgão de fiscalização oculta dados

Autorizadas a inserção, produção e venda de 290 novas substâncias com fiscalização branda

Por: TERO QUEIROZ14/08/2019 às 09:40
ComentarCompartilhar
Sob Bolsonaro, o país tem liberado agrotóxicos em um ritmo sem precedentes: desde o início do ano, 290 substâncias foram autorizadasSob Bolsonaro, o país tem liberado agrotóxicos em um ritmo sem precedentes: desde o início do ano, 290 substâncias foram autorizadasFoto: Natália Seccon/Idaf-ES

A liberação de venenos e flexibilização de leis para “mascarar” os impactos e nocividade à saúde tiveram aceleração nos sete meses de governo de Jair Bolsonaro a frente da Presidência da República, os danos podem ser irreparáveis. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesse período de nova gestão, foram liberados e autorizadas a inserção, produção e venda de 290 novas substâncias, essas que sequer, podem ser fiscalizadas.

A própria Anvisa mudou a classificação da nocividade dos venenos, com o que os agentes considerados "extremamente tóxicos" caíram de 800 para 43.

Muito se fala sobre a flexibilização de leis em normas, mas pouco se sabe sobre a fiscalização da indústria de venenos agrícolas em território brasileiro, e o atual governo não esclarece a questão. 

Conforme a Lei nº 7.802, cabe à União legislar e fiscalizar a produção, a exportação e a importação dos agroquímicos. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) e a Anvisa são os três órgãos com competência para realizar essa fiscalização - por exemplo, verificar as condições de qualidade e quantidade dos produtos e analisar se sua composição está de acordo com o especificado no rótulo. 

Ao site Brasil de Fato, o Ministério da Agricultura disse que entre 2016 e 2018 realizou 2,8 mil fiscalizações na indústria de agroquímicos, com a emissão de 120 autos de infração.

No entanto, conforme o veículo, a pasta não disponibilizou informações de anos anteriores, para fins de comparação, nem detalhes sobre as operações realizadas - como tipo de infrações, localização das empresas autuadas, metodologia de fiscalização etc. 

Já a Anvisa e o Ibama - que reencaminhou a demanda ao Ministério do Meio Ambiente - não responderam questionamento da reportagem até a publicação da matéria. 

O pesquisador da Fiocruz e ex-gestor de toxicologia da Anvisa, Luiz Cláudio Meirelles, explicou que a fiscalização da indústria de agrotóxicos enfrenta um processo de fragilização nos últimos anos. Para Meirelles, o ritmo acelerado de liberação dos agrotóxicos e a política de flexibilização podem agravar o cenário. 

“Na medida em que há esse mercado gigantesco, com uma série de indústrias e muitos produtos trazidos no exterior com a necessidade de verificar a qualidade deles e estabelecer uma série de controles, não temos ouvido falar em fiscalização”, disse

O pesquisador, que foi gestor de toxicologia da Anvisa de 2009 a 2012, também criticou a não divulgação das informações de forma ampla.

“A fiscalização que não é divulgada, não tem nenhuma utilidade do ponto de vista socioeconômico. Não está informando para a população e nem para a sociedade o que realmente está acontecendo. Que fiscalização é essa que não aponta quais indústrias estão trabalhando bem e quais estão trabalhando mal, de maneira a corrigir os desvios que podem estar acontecendo com base naquilo que está preconizado na própria lei?”, questiona, acrescentando que também não é possível encontrar registros de fiscalizações da indústria de agrotóxicos por parte da Anvisa e do Ibama. 

Meirelles argumentou que dados detalhados sobre as inspeções deveriam ser públicos, deixando claro quais indústrias foram fiscalizadas, quais foram as não conformidades encontradas e qual a metodologia utilizada pelo órgão regulador e quais medidas corretivas estão sendo aplicadas. Segundo ele, ao encontrar desvios e alterações nas indústrias, todo o processo de autorização e análise de toxicidade da substância está comprometido. 

Fonte: Brasil de Fato.  

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma