ANIVERSÁRIO DE CG PMCG BARTZ

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

ANIVERSÁRIO PMCG BARTZ LED
domingo, 18 de agosto de 2019

PSDB/MS

Fica ou não fica: recado genérico no PSDB põe Rose Modesto em alerta

Se arriscar voo-solo fora do partido, deputada pode parar na mesma vala em que caiu Miglioli

Por: REDAÇÃO09/08/2019 às 15:43
ComentarCompartilhar

O prejuízo político que o ex-secretário estadual de Infraestrutura e ex-candidato ao Senado Marcelo Miglioli sofreu ao perder sua primeira disputa eleitoral e deixar o PSDB ronda também o futuro da deputada federal Rose Modesto. Em 2018, Miglioli não gostou de ter perdido a eleição para o Senado. Ficou em quarto lugar e logo que terminou a campanha fez as malas, deixou o Estado e sair do PSDB, minimizando o empenho pessoal do governador Reinaldo Azambuja para apoiar sua candidatura.

No caso da deputada, a situação é semelhante, embora com resultados diferentes. Se Miglioli fracassou em sua primeira corrida eleitoral, Rose vem acumulando seguidos triunfos nas urnas. Foi vereadora reeleita, vice-governadora e agora deputada federal, eleita com a maior votação da história. As semelhanças entre essas duas trajetórias têm um ponto de partida comum: o envolvimento direto e absoluto de Azambuja.

Além do comprometimento pessoal e praticamente ilimitado, Azambuja franqueou a Rose toda estrutura necessária de suporte institucional e político para capacitar seu projeto eleitoral. Além da influência inerente ao posto de vice-governadora, ela também recebeu uma secretaria (de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, a Sedhast) e centenas de espaços no corpo funcional da máquina.

Por orientação expressa de Reinaldo Azambuja, Rose Modesto teve à sua disposição os combustíveis políticos e eleitorais do envolvimento partidário e do grande processo de mobilização para agregar prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, dirigentes sociais e as demais lideranças a serviço de sua candidatura, inicialmente a prefeita e depois para deputada federal, quando saiu das urnas como a campeã de votos.

 Agora, diante da ciranda de filiações que começam a pipocar pelo estado por causa da proximidade das eleições municipais, especula-se que a semente da chapa própria à prefeitura de Campo Grande, plantada por Rose em 2016, virou arbusto e está sendo regada para crescer e tornar-se árvore. O problema é encontrar dentro do ninho dos tucanos um número minimamente expressivo de filiados que queira esparramar-se em sua sombra.

INCÔMODO - O PSDB, que cultiva a ambição de fortalecimento e acaba de conquistar importantes adesões – como a do prefeito de Anaurilândia, o ex-emedebista Edinho Takazono -, não quer novo e igual incômodo ao que acaba de experimentar por meio da manifestação desdenhosa de Marcelo Miglioli. Após virar as costas à legenda, ao governador e ao governo que o promoveu, o ex-secretário de Infraestrutura ressurgiu em cena dizendo que na sucessão campo-grandense de 2020 pode montar o cavalo se passar arriado no páreo principal. Em miúdos: topa ser candidato a prefeito ou a vice, mas não a vereador. Falta, entretanto, abrigar-se numa sigla partidária, já que no PSDB seu crédito acabou.

Rose sempre jogou aberto quanto a isso. Foi candidata a prefeita, levando a disputa para o segundo turno e seu expressivo desempenho nas urnas garantiu a capilaridade para ser a mais votada na corrida à Câmara Federal. Com a vitória, avaliou que a experiência na disputa sucessória dava-lhe condições para repetir o desafio em 2020. E não recuou nem mesmo diante de sucessivas declarações do governador dando conta da intenção – não um compromisso prévio – de apoiar o prefeito Marquinhos Trad (PSD) na campanha pela reeleição.

Ora, mesmo em estágio de intenção, o gesto de Reinaldo Azambuja serve de aceno de retribuição ao apoio que recebeu quando tentava se reeleger em 2018 e teve do prefeito campo-grandense um apoio de efeito decisivo nas urnas. O PSDB, em geral, e salvas as honrosas exceções, é formado por uma militância fiel ao seu líder maior, o governador. E mesmo sem renunciar ao direito legítimo e à vontade de ter sua própria opção para a Prefeitura, seguramente não vai bater chapa com Reinaldo Azambuja se for mesmo de sua vontade e decisão coligar-se com o PSD.

Por essas e outras o presidente do Diretório Regional, Sérgio de Paula, faz o trabalho do varejo para alimentar e dar garantir a consistência partidária, incentivando a militância a fixar firmemente suas raízes no partido e não perder a perspectiva da unidade em torno do programa, dos estatutos e da interatividade com os dirigentes e lideranças. Este é o território que o PSDB quer manter ativo e disponível a todos os filiados, sem distinção alguma, conforme frisou Sérgio de Paula. Para ele, a união do partido é sua mais forte credencial para entrar nas disputas com chances reais e diferenciadas de vitória.

Deixe seu Comentário

TV MS

16 de agosto de 2019
Após 30 anos de espera região Norte da Capital recebe asfalto

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma