AGUAS 11
Sábado, 18 de Novembro de 2017

Reforma trabalhista

Presidente do Senado pressiona Temer por MP da reforma trabalhista

Apesar de a lei já ter entrado em vigor, o governo ainda resiste em editar a MP

Por: Folhapress14/11/2017 às 12:25
ComentarCompartilhar
Foto: © Ueslei Marcelino/Reuters

Opresidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) voltou a defender nesta terça-feira (14) que o governo edite uma Medida Provisória para fazer as modificações acordadas com o Congresso na nova lei trabalhista, que entrou em vigor no último fim de semana."Seria deselegante com o Senado que um compromisso feito em nome do governo não se concretizasse. Seria muito ruim para a relação de confiança que precisa ser estabelecida entre os poderes", disse Eunício.

Apesar de a lei já ter entrado em vigor, o governo ainda resiste em editar a MP. Temer evita criar novo conflito com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que desde o início criticou fazer novas mudanças no projeto de reforma aprovado pelos deputados. Ele vem defendendo a edição de um projeto de lei com regime de urgência."Eu disse ao presidente que quem pode receber ou devolver Medida Provisória é o presidente do Congresso, que sou eu", disse, em crítica indireta a Maia.

"Lógico, é natural que o presidente comunique o presidente da Câmara qual modelo que ele mandaria. Eu acho até elegante".

Eunício disse que não participou do acordo por uma MP, mas que "testemunhou". Ele afirmou ter enviado a Temer as notas taquigráficas da sessão do Senado em que Jucá se compromete com esse modelo.

Diante do impasse do governo, Eunício disse que, se depender dele, o Palácio encaminha a MP ainda nesta terça (14).

O presidente do Senado questionou ainda o fato de que, com essa indefinição existe uma dúvida sobre quais regras trabalhistas que terão validade.

"Qual a lei que entrou em vigor? As pessoas estão esperando por isso. Não podemos deixar o Brasil nesta berlinda", declarou.

Ainda em defesa de uma MP, ele disse que a medida ter validade imediata enquanto um PL levaria mais tempo. O regimento prevê um prazo de 120 dias para votação de projeto de lei em urgência em cada uma das casas legislativas. Só após esse prazo que a proposta tranca a pauta e inviabiliza outras votações.

REFORMA TRABALHISTA

Em maio, logo após a aprovação da reforma trabalhista na Câmara, o presidente Michel Temer fez um acordo com senadores da base de que editaria uma MP para modificar o projeto.

A ideia do Palácio do Planalto era evitar que mudanças no texto fizesse com que fosse necessária nova análise pela Câmara, o que levaria mais tempo para conclusão do projeto, uma das prioridades deste governo.

Com isso, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) acordou com um grupo de senadores que a MP modificaria ao menos quatro pontos do projeto: previsão de insalubridade para lactantes e gestantes, trabalho intermitente, jornada 12x36 e contribuições previdenciárias. Com informações da Folhapress.

Deixe seu Comentário

TV MS

08 de Novembro de 2017
Cidadão de Paranaíba diz que Prefeitura quer construir aterro irregular

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 3305.4739
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma