PRESTAÇÃO DE CONTAS

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

quarta, 24 de abril de 2019

Chefe da Casa Civil

Primeiro mês de Bolsonaro é teste de resistência para Lorenzoni

Por: Redação10/01/2019 às 07:09
ComentarCompartilhar

Não se pode afirmar que a situação de Onix Lorenzoni seja desconfortável. Mesmo no alvo de denúncias que incomodam, ele tem a confiança e a proteção do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Porém, a conjuntura não é das mais tranqüilas para o ministro-chefe da Casa Civil, acossado por denúncias envolvendo-o em operações suspeitas ou, no mínimo, trajadas pela dualidade do legal e imoral.

Durante a transição, confirmado como condutor daquele processo e primeiro a ser nomeado na equipe, já sofreu o primeiro disparo quando a imprensa revelou ter sido beneficiado com doação ilegal de campanha (caixa 2) por parte do Grupo JBS. O fato aconteceu nas eleições de 2014, quando o Grupo JBS, por meio de fundos secretos, doou R$ 100 mil para a campanha de Lorenzoni a deputado federal pelo DEM do Rio Grande do Sul. 

COM DEUS - A operação foi confirmada por Lorenzoni três anos depois, quando disse ter utilizado o dinheiro para pagar dívidas de campanha e não contabilizou a doação. Ele pediu desculpas pelo ato, gesto que o tornou perdoável para o ex-juiz da Lava Jato e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro. Mais adiante, Lorenzoni diria não temer possível investigação e que já se havia resolvido com Deus. 

“Se tem um cara tranquilo, este sou eu. Primeiro, eu já me resolvi com Deus, o que é importante para mim. Segundo porque, agora com a investigação autônoma, que não é nem inquérito, vou poder esclarecer definitivamente. Nunca estive envolvido com corrupção. A gente não pode ser hipócrita de querer misturar financiamento e o não registro de um recebimento de um amigo, que esse erro eu cometi”, frisou Lorenzoni.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinou a apuração sobre o pagamento de caixa 2. Os delatores da JBS disseram depois que foram dois repasses de R$ 100 mil, um em 2012 e outro em 2014. Lorenzoni já foi investigado por supostamente receber R$ 175 mil em repasse da Odebrecht posto sob suspeição, mas o inquérito acabou rejeitado pelo STF. Sobre as acusações, Jair Bolsonaro foi incisivo: "Havendo qualquer comprovação ou denúncia robusta contra quem quer que seja e que esteja ao alcance da minha caneta Bic, ela será usada”, avisou.

NOTAS EM SÉRIE - Outra denúncia que fere os calcanhares do chefe do Gabinete Civil chegou a publico em uma reportagem da Gaúcha Zero Hora, revelando que Onix Lorenzoni usou 80 notas fiscais de uma firma de consultoria tributária para justificar o recebimento de verba de gabinete em seus 10 anos na Câmara dos Deputados. No total, foram pagos pela Casa R$ 317 mil, com 29 cupons emitidos em sequência pela Office RS Consultoria. 

Suspeita-se que Lorenzoni tenha sido o único cliente dessa empresa, que pertence a um amigo e colaborador regular de suas campanhas eleitorais. O amigo - César Ferrão Marques - esá filiado ao DEM, partido de Lorenzoni, há 24 anos, e a empresa não tem registro no Conselho Regional de Contabilidade. O ministro e o empresário negaram as irregularidades. 

Para completar, Lorenzoni também admitiu ter usado verba da Câmara para voar pelo Brasil fazendo a campanha presidencial de Jair Bolsonaro, revelou a Folha de S.Paulo. Lorenzoni rebateu, dizendo que não cometeu qualquer irregularidade e não tem que explicar nada. “Está tudo rigorosamente dentro da legislação da Câmara. Enquanto congressista e deputado, eu tenho a prerrogativa e direito de andar no lugar do Brasil que eu quiser e eu estava ajudando a construir o que, hoje, nós estamos vivendo: a transição de um novo futuro para o nosso país”, alegou.  

Entre essas e outras, em dias de indormida sequência de contatos e articulações por interesses do presidente e do governo, Lorenzoni vem respirando o fôlego de seu crédito pessoal junto a Bolsonaro. Mas não ignora que já existem pressões pelos bastidores, principalmente por parte de políticos aliados e assessores de Bolsonaro que não teriam sido muito simpáticos à escolha do presidente para chefiar o seu Gabinete Civil. O que está em jogo agora já não é mais o grau de confiança e de afeição de Jair Bolsonaro por Lorenzoni, mas a durabilidade de sua permanência no cargo de maior relevância do staff presidencial e que não pode funcionar em uma conjuntura de vulnerabilidade política.. 

 

Deixe seu Comentário

TV MS

03 de abril de 2019
Revoada de balões em alusão ao Dia Mundial de consciencização ao autismo

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma