25 de junho de 2021
Campo Grande 30º 19º

Dólar elevado favorece venda do trigo nacional

A- A+

A forte valorização do dólar frente ao real – alta 13% em março e de 22% no acumulado de 2015 – pode auxiliar na comercialização do trigo nacional frente às importações da commodity de países vizinhos como Argentina, Paraguai e Uruguai, além dos Estados Unidos e Canadá. De acordo com o levantamento semanal do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), os moinhos voltaram a repor estoque e têm dado preferência ao cereal nacional. Com a constante valorização da moeda norte-americana, o trigo importado está cada mais caro para os compradores brasileiros.

Já, para o triticultor paranaense, o momento é excelente para negociar os estoques. O Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado do Paraná (Seab) estima que atualmente o estoque de trigo deve girar em torno de 900 mil toneladas, sendo que 2,9 milhões de toneladas já foram comercializadas. No ano passado, no mesmo período, eram apenas 100 mil toneladas estocadas para um volume vendido de 1,7 milhão de toneladas.

Vale lembrar que o consumo brasileiro de trigo gira em torno de 12 milhões de toneladas por ano e o País produz em torno de 7 milhões de toneladas, sendo inevitável a importação. Muitas vezes, os compradores também optam pelo trigo internacional porque problemas climáticos como chuvas e geadas reduzem a qualidade do produto brasileiro.

Entretanto, a safra recorde de 2013/14 – de 3,79 milhões de toneladas no Estado – está convidativa aos moinhos. O alto volume estocado com potencial de venda pode fazer com que os preços ganhem fôlego a partir de agora. Na média das cotações no mercado disponível (negociações entre empresas), houve alta de 3,54% no Paraná, de 1,72% no Rio Grande do Sul e de 0,36%, em São Paulo. A saca de 60 quilos está na casa R$ 30,66 no Estado.

O consultor especialista em trigo da Safras & Mercado, Élcio Bento, salienta que a alta dos preços é uma realidade e não há outro caminho para os moinhos a não ser comprar o produto a preços mais elevados. "O cenário de recuperação dos preços é justificado, já que há pouco trigo nos países do Mercosul e o dólar está elevado, encarecendo a compra nos mercados internacionais."

Bento comenta ainda que aqueles produtores nacionais que estão conseguindo brigar de igual para igual com o trigo importado poderão ter boa rentabilidade neste momento de flutuação de cambial.

Internacional

No mercado internacional, os contratos futuros de trigo negociados nas duas bolsas norte-americanas operaram em alta na maior parte da última semana. A elevação resultou do relatório mensal de oferta e demanda do USDA, que reduziu ligeiramente os estoques mundiais do grão em comparação com o anterior, de 197,85 milhões de toneladas para 197,71 milhões de toneladas. O clima seco nas Grandes Planícies dos Estados Unidos também contribuiu para as valorizações. Os dados foram levantados pelo Cepea.