17 de setembro de 2021
Campo Grande 35º 21º

AGRONEGÓCIO

Resolução conjunta atualiza medidas de prevenção para praga que atinge lavouras de algodão

Resolução atende demandas dos produtores propostas ao Governo por meio da Ampasul (Associação sul-mato-grossense dos produtores de algodão)

A- A+
 

Mato Grosso do Sul passa a ter nova resolução que estabelece medidas de prevenção e controle do "bicudo do algodoeiro", uma praga que atinge as lavouras de algodão. A resolução conjunta entre a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e a Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) foi publicada no Diário Oficial e está em vigor.

A resolução atende demandas dos produtores propostas ao Governo por meio da Ampasul (Associação sul-mato-grossense dos produtores de algodão) e traz inovações no âmbito do Programa Nacional de Controle do Bicudo do Algodoeiro.

Entre as mudanças está adequações no período de vazio sanitário, quando fica proibido o cultivo de algodão. O Estado foi dividido em três regiões, sendo Região 1 municípios do norte com vazio sanitário de 15 de setembro a 30 de novembro. Região 2 compreende municípios do centro do Estado e ficou com vazio sanitário de 15 de agosto a 30 de outubro e a Região 3, municípios do sul, de 15 de julho a 30 de setembro.

Dessa forma, nas regiões 1 e 2 o plantio deve ser realizado até 31 de janeiro, enquanto que na região 3 a data limite é 31 de dezembro. Outra mudança é que os produtores ficam obrigados a fazer o cadastro das áreas cultivadas com algodão no prazo de 30 dias após o limite do calendário de plantio, no site da Iagro.

Em casos de cultivo do algodão para pesquisas científicas a Iagro poderá autorizar o plantio fora do período a partir de pedidos apresentados com no mínimo 30 dias de antecedência e, desde que respeitem várias regras. A Iagro também emitirá um Certificado de Destruição de Soqueira do Algodoeiro ao produtor, quando finalizar o vazio sanitário.

O descumprimento das regras da resolução poderá acarretar em penalidades ao produtor. A resolução completa pode ser conferida no Diário Oficial ou clicando aqui.

Fonte: Governo MS