MS Notícias

sbado, 04 de julho de 2020

INOVAÇÃO

Com idade entre 13 e 15 anos, alunos do SESI criam selante e vencem prêmio

Alunos brasileiros tem entre 13 e 15 anos e venceram o maior prêmio de inovação e robótica do mundo ao criar um selante capaz de evitar rachaduras em asfaltos

Por: SÓ NOTÍCIA BOA30/06/2020 às 15:31
ComentarCompartilhar
Foto: Reprodução / Agência de Notícias CNI

A equipe SESI Biotech, de Barra Bonita, no interior de São Paulo, venceu o Community Choice Award no Global Innovation 2020, o maior prêmio de inovação da robótica no mundo.

O projeto vitorioso foi o do selante de asfalto, capaz de acabar de vez com o problema de rachaduras na pista.

A cerimônia on-line foi neste final de semana. Considerada a grande premiação no quesito inovação da robótica educacional, o prêmio destaca projetos que apresentem soluções de forma sustentável, dentro do tema de cada temporada.

O tema desta temporada, determinado pela organizadora internacional do evento, FIRST (For Inspiration and Recognition of Science and Tecnology), era Cidades Inteligentes.

OS VENCEDORES

A equipe é composta pelos jovens Manuela Rodrigues, Laura Mariano, Laura Resina, Leonardo Barreto, Bruno Roberto, João Gabriel e Lais Santos com idades entre 13 a 15 anos.

Eles realizaram pesquisas em busca de soluções para um dos grandes problemas de mobilidade das cidades, que são as rachaduras e fissuras no asfalto, que vão degradando o pavimento das estradas com o passar do tempo.

“É um problema gravíssimo, pois atinge diretamente a sociedade, provocando engarrafamentos, acidentes e problemas mecânicos nos veículos”, conta Lais Santos, de 13 anos.

Ele diz que a solução encontrada foi um selante asfáltico, a base de elementos contidos no bagaço da cana-de-açúcar, que bloqueia a ação nociva da água, acabando com a formação de buracos nas estradas de uma vez por todas.

COMEMORAÇÃO

No dia do anúncio da vitória, durante evento on-line realizado pela FIRST, os estudantes se emocionaram e comemoraram de suas casas, cada um com sua família, a premiação.

Depois, postaram no Instagram o vídeo do anúncio da vitória: “Foi uma jornada de muito aprendizado e experiências, só temos a agradecer”, disse a equipe.

“Também ganhamos o título de ‘embaixadores da inovação no Brasil’, conta a técnica do time, professora Ana Maria Papili Pagini.

“Foi incrível, foi o coroamento do trabalho de um ano. De um trabalho gigante de pesquisa”, comemora. Segundo ela, uma empresa do setor de construções já entrou em contato com a equipe, interessada pelo produto.

O PROJETO

Com base no tema Cidades Inteligentes, os alunos batizaram o composto de ECOPAV. O selante ecológico é feito a partir do composto de lignina, extraído do bagaço da cana-de-açúcar, e de nanopartículas de carbono.

Os estudantes contaram com a ajuda de um químico e realizaram diversas entrevistas com engenheiros e especialistas, a fim de adquirirem um resultado sustentável, eficaz e aplicável em grandes e pequenas obras.

Ana Maria conta que era desejo dos alunos utilizar um material sustentável para a produção do selante, e foi assim que chegaram na lignina, produto existente em grande quantidade em Barra Bonita, que fica numa região produtora de cana-de-açúcar.

A aluna Manuela Rodrigues, 14 anos, explica que “a lignina, além de reter a umidade, é resistente a temperaturas extremas e tem um alto potencial adesivo. Enquanto as nanopartículas de carbono são estruturas tubulares e flexíveis”. A combinação dos dois compostos é o que possibilita a capacidade do selante de quadriplicar a durabilidade e a resistência dos pavimentos utilizados nas cidades, impedindo que fissuras e rachaduras se formem desde o princípio da construção.

Os alunos ressaltam ainda que, diferentemente dos produtos encontrados atualmente no mercado, o ECOPAV é um selante à frio e possui consistência pastosa.

Por isso, por ser manuseado e aplicado sem a necessidade de treinamento, maquinário de grande porte e até mesmo de proteção, requeridos pelos selantes de alta temperatura.

Os testes realizados mostraram-se bem sucedidos e, por isso, estão em busca de parcerias com empresas e com a prefeitura de Barra Bonita, para levarem o projeto adiante. Também está entre os desejos dos estudantes iniciar o processo de patenteamento e, se possível, a produção em larga escala.

INOVAÇÃO

Não é a primeira vez que os alunos investem em compostos químicos inovadores.

Este é o terceiro ano da equipe na etapa nacional do Torneio SESI de Robótica FIRST LEGO League – a competição de robótica que utiliza robôs fabricados com peças de Lego.

Em 2019, os alunos garantiram o primeiro lugar em Programação, na competição realizada em Montevidéu, no Uruguai, graças a suas soluções inovadoras.

“Na temporada Hydro Dynamcs, nós criamos um filtro acoplado a máquinas de lavar e caixas de passagem nas residências, a fim de realizar a filtragem do nitrato fosfato, que desembocaria nos rios prejudicando a vida marinha. E na temporada Into Orbit, nós fizemos um creme protetor de radiação, cujo um dos componentes era o grafeno. Chegamos a desenvolver a solução em uma farmácia de manipulação, e constatamos que ele bloqueava 99% da radiação em contato com o corpo humano”, conta a técnica Ana Maria.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma