25 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

Economia

Brasil não trata metade do esgoto; veja ranking das melhores e piores cidades

A- A+
source
Santos é a melhor cidade e Macapá a pior no quesito saneamento
Divulgação
Santos é a melhor cidade e Macapá a pior no quesito saneamento

Mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, que exige medidas de higiene regularmente, o relatório divulgado nesta segunda-feira (22) pelo Instituto Trata Brasil  mostra que 21,7 milhões brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto nas 100 maiores cidades do país e 5,5 milhões, à água potável.

Segundo dados do "Ranking do Saneamento", o Brasil não trata metados dos esgotos que joga na natureza. isso equivale a 5,3 mil piscinas olímpicas de detritos despejados diariamente. 

Entre as 100 maiores cidades do país, os números foram melhores do que a média nacional, mas continuam longe do ideal. Essas cidades investiram juntas 50% de tudo o que o país aportou em infraestrutura de água e esgoto.

Entre 2012 e 2019:

  • Acesso à rede de água no país registrou leve aumento de 82,7% para 83,7%, assim como nas 100 maiores cidades (de 93,45% com acesso para 93,51%).
  • Acesso à rede de esgoto, o percentual foi de 48,3% para 54,1% no período. Nos 100 maiores municípios, a variação foi de 69,39% em 2012 para 74,47% em 2019.

10 melhores cidades no ranking de saneamento:

  1. Santos (SP)
  2. Maringá (SP)
  3. Uberlândia (MG)
  4. Franca (SP)
  5. Limeira (SP)
  6. Piracicaba (SP)
  7. Cascavel (SP)
  8. São Paulo (SP)
  9. São José do Rio Preto (SP)
  10. Suzano (SP)

10 piores cidades no ranking de saneamento:

  1. Macapá (AP)
  2. Porto Velho (RO)
  3. Ananindeua (PA)
  4. São João de Meriti (RJ)
  5. Belém (PA)
  6. Santarém (PA)
  7. São Gonçalo (RJ)
  8. Duque de Caxias (RJ)
  9. Rio Branco (AC)
  10. Belford Roxo (RJ)

Ranking do saneamento nas 100 maiores cidades do país:

  •  População total: 85.372.253.
  • População atendida com abastecimento de água: 79.827.359.
  • População total sem acesso à água potável: 5.544.894.
  • População total atendida com esgotamento sanitário: 63.575.288.
  • População total sem acesso à coleta de esgoto: 21.796.965.