24 de junho de 2021
Campo Grande 31º 19º

Economia

Em coletiva, secretário de Guedes se recusa a responder sobre Orçamento

A- A+
source
Secretário especial de Fazenda se recusou a responder sobre a LOA deste ano
Gustavo Raniere / Ministério da Economia
Secretário especial de Fazenda se recusou a responder sobre a LOA deste ano

Integrantes do Ministério da Economia não responderam a perguntas sobre o Orçamento de 2021 durante a entrevista coletiva de apresentação do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022, nesta quinta-feira (15).

A proposta orçamentária deste ano está no centro de uma crise entre o governo e os parlamentares gerada após a aprovação da proposta pelo Congresso.

O Orçamento aprovado está sendo considerado "inexequível" pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que quer o veto de pelo menos parte das emendas parlamentares. Para aumentar os recursos, o Congresso cortou despesas obrigatórias, como gastos com a Previdência.

Por conta da pandemia de Covid-19 , as entrevistas coletivas do Ministério da Economia estão sendo feitas remotamente desde março de 2020.

As perguntas dos jornalistas são enviadas por escrito e lidas pela assessoria de imprensa do ministério ao longo da entrevista. A praxe desde o ano passado é que as perguntas sejam lidas mesmo que não tratam do assunto diretamente relacionado à entrevista coletiva. É o que costumava ocorre em entrevistas presenciais.

Desta vez, o ministério não leu nenhuma pergunta relacionada ao Orçamento de 2021.

A assessoria de imprensa da pasta disse que não seriam lidas perguntas que não fossem estritamente sobre o projeto da LDO de 2022, as quais seriam respondidas posteriormente por escrito.

Você viu?

Participaram da entrevista o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues Júnior, e o secretário de Orçamento Federal, George Soares, ambos responsáveis diretamente pela gestão orçamentária do governo federal.

Ao final da entrevista, Rodrigues disse que a solução para o Orçamento de "qualquer ano" precisa ser fiscalmente responsável.

"Para o bem do Brasil, qualquer que seja a solução para o Orçamento, de qualquer ano, ela tem que ser fiscalmente responsável. Este é o maior respeito às gerações futuras do ponto de vista de análise macrofiscal. A gestão fiscal não é nem uma escolha do gestor, é uma obrigação imposta pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) e um valor nacional", disse o secretário.

Rodrigues também defedneu transparência e "zelo" nas decisões orçamentárias. Para ele, isso deve estar "acima de disputas políticas".

"O ajuste nas contas públicas é uma conquista da sociedade e foi por ela fortemente incorporado como um valor que não podemos prescindir e deve estar acima de disputas políticas. E o Orçamento, como principal decisão dos representantes eleitos pela população, deve zelar pela máxima transparência e zelo e responsabilidade ao alocar os recursos públicos", afirmou o secretário.