17 de setembro de 2021
Campo Grande 35º 22º

Economia

Forever 21 é despejada de shopping no Rio por dívidas de aluguel

A- A+
source
Com aluguel em atraso, Forever 21 é despejada de shopping no Rio por dívidas de aluguel
Divulgação
Com aluguel em atraso, Forever 21 é despejada de shopping no Rio por dívidas de aluguel

A rede de lojas Forever 21 , em processo de  recuperação judicial nos Estados Unidos desde setembro de 2019, é alvo de ações judiciais movidas por shoppings cobrando o pagamento de aluguel em atraso. A Justiça do Rio acatou pedido do Riosul e deu 30 dias de prazo para que a marca deixe o espaço que ocupa no centro comercial de Botafogo , conforme antecipou o colunista do jornal O GLOBO Ancelmo Gois.

Há ao menos mais dois processos por inadimplência no aluguel , movidos pelos Shopping Tijuca e o Plaza Shopping Niterói, ambos da brMalls .

Desde setembro de 2019, o número de lojas da Forever 21 tombou de 36 para 19 no país. Em janeiro deste ano, a empresa fechou um acordo com a Multiplan , que resultou no encerramento das atividades de 11 lojas da marca em shoppings do grupo.

"Sair de uma rede como a Multiplan, com shoppings voltados para classe média e alta, significa perder potência de venda. E o ambiente de consumo da marca se perdeu, não se ouve falar de Forever 21", diz Ana Paula Tozzi, da AGR Consultores.

Segundo ela, há "um somatório de problemas":

"A empresa depende de importação e, com o dólar a quase R$ 6, é difícil recompor estoques. Depois, o modelo fast fashion mudou. As novas gerações buscam sustentabilidade", ressalta.

Você viu?

O e-commerce, continua ela, é outro entrave às atividades da Forever 21, que priorizou o varejo físico e entrou com atraso no digital:

"Agora, mesmo focando no digital, o e-commerce soma 25% das vendas como um todo, não compensa a perda do físico".

Justiça é último recurso

Quando pediu proteção à Justiça americana, a Forever 21 tinha dívidas que podiam chegar a US$ 10 bilhões e previa ter de fechar ao menos 350 de suas 800 lojas pelo mundo.

No Riosul, o aluguel está atrasado desde abril de 2020 . Até agosto, quando o shopping entrou com o processo, a dívida somava quase R$ 700 milhões. No processo, a Forever 21 disse não quitar o pagamento por perdas geradas com o fechamento da loja no início da pandemia.

O shopping, contudo, argumentou que, entre julho e dezembro, a unidade ali localizada gerou R$ 1,85 bilhão em vendas.

"Num cenário de pandemia, o que se recomenda é que as partes sejam razoáveis e renegociem contratos. E isso foi feito sobretudo no momento de fechamento dos shoppings. Não se justifica inadimplência total do lojista nem intransigência total do shopping. A discussão chega à Justiça apenas quando não há acordo. Isso acaba acelerando o encolhimento da rede", avalia Raphael Moreira Espírito Santo, sócio da área de direito imobiliário do Veirano Advogados.

Procuradas, Forever 21 e brMalls não comentaram.