26 de setembro de 2021
Campo Grande 34º 22º

Economia

Guedes diz que empresas podem ter isenção em compra de vacinas para doar ao SUS

A- A+
source
Compra de vacinas por empresários é defendida por apoiadores de Bolsonaro e questionada por médicos e especialistas em saúde
Reprodução: iG Minas Gerais
Compra de vacinas por empresários é defendida por apoiadores de Bolsonaro e questionada por médicos e especialistas em saúde

O ministro da Economia, Paulo Guedes , disse nesta quinta-feira (25) que empresas que doarem vacinas contra a Covid-19 para o Sistema Único de Saúde (SUS) poderão ganhar "isenção" do governo.

Uma lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste mês autoriza compra de vacinas por empresas privadas e estabelece que enquanto durar a vacinação dos grupos prioritários, as doses compradas pela iniciativa privada deverão ser integralmente doadas ao SUS.

"Os próximos 30, 60 dias, é a vacinação em massa. Buscar vacina onde tiver. Vacinar com o setor privado, vacinar com o setor público. Se o setor privado der vacinas para a gente imunizar as prioridades, os mais vulneráveis, os idosos, podemos dar isenção para as doações", disse o ministro, durante audiência pública no Senado.

Guedes não esclarecer como a isenção pode ser feita, mas garantiu que não haveria benefício para vacinas não doadas ao SUS.

Você viu?

"Não pode dar uma isenção para alguém rico ir lá fora, comprar vacina e vacinar sua família. Agora, todas as doações que acontecerem, podem haver isenções. Se os bilionários brasileiros, fundos, todo mundo quiser ajudar, pode ter isenção para comprar vacina e doar para o povo brasileiro", disse.

Guedes recebe nesta quinta-feira os empresários Luciano Hang (Havan) e Carlos Wizard (Sforza) para discutir a aquisição de vacinas contra a Covid-19 pelo setor privado. Os empresários encabeçam um grupo que deseja alterar a lei para permitir que o setor privado não seja obrigado a doar as vacinas ao SUS.

Durante a audiência no Senado, Guedes reforçou a necessidade de doar para o SUS.

"Nós estamos 100% de acordo: usar a iniciativa privada, fazer as doações para o SUS, e realmente vacinar o trabalhador, porque o retorno seguro ao trabalho depende da vacinação em massa. E nossos empresários têm capacidade de ir lá fora e comprar sobras de vacinas", disse o ministro.