20 de junho de 2021
Campo Grande 25º 13º

ECONOMIA | EXPORTAÇÕES

MS aumentou em 24% receita com exportação industrial e bate recorde

Receita do Estado, 12º no ranking nacional, foi de US$ 383,5 milhões, melhor resultado para abril desde o início da série histórica em 2009

A- A+

MS é o 12º colocado no ranking das unidades federativas que mais exportam e, conforme levantamento do Radar Industrial da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (FIEMS), o estado alcançou em abril de 2021 seu melhor resultado para o mês, desde o início da série histórica iniciada em 2009.

Dados da Fiems apontam que a receita da exportação para abril de 2021 ficou em US$ 383,5 milhões, o que representa um crescimento de 24% se comparado ao mesmo período de 2020, quando registrou US$ 308,8 milhões.

Ezequiel Resende é coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS, e ele aponta que houve ainda uma elevação de 27% na comparação mensal, quanto ao volume exportado.

“Em relação ao volume, no acumulado de 2021 [também maior receita já alcançada], houve aumento de 8%. Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 52% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul. Já no acumulado do ano, a participação está em 61%”, completou Ezequiel Resende.

GRUPOS RESPONSÁVEIS

Atualmente, os grupos “Celulose e papel” e “Complexo frigorífico” respondem por quase 70% da receita das exportações do setor industrial, entre janeiro e abril. O economista da Fiems ainda detalha que os 40% ficam apenas para o primeiro grupo, sendo outros 29% para o segundo.

Eles são seguidos, respectivamente, pelos grupos “Óleos vegetais e demais produtos de sua extração” (13%); “Extrativo Mineral – Minerais metálicos” (7%); “Açúcar e Etanol” (4%) e “Couros e peles” (2%).

Em detalhes, é possível analisar que, no caso de “Celulose e papel”, a receita de exportação em abril deste ano alcançou US$ 177,4 milhões. Se comparado com a arrecadação de US$ 161,2 milhões, do mesmo período de 2020, o valor atual representa um aumento de 10%.
 
Por "Celulose e papel", os principais produtos exportados foram pastas químicas de madeira e outros papéis e cartões e os principais compradores foram China, Estados Unidos e Itália.

Elevação também foi constatada no grupo “Complexo Frigorífico” (25%), que acumulou R$ US$ 76,1 milhões em 2020 e, neste ano, atingiu o valor de US$ 95,1 milhões de receita em abril. Como destino, os maiores compradores foram China, Hong Kong e Chile.

Nesse grupo são exportadas carnes desossadas congeladas de bovino, pedaços e miudezas congeladas de frango e carnes desossadas refrigeradas de bovino.

Enquanto “Óleos vegetais e demais subprodutos de sua extração” foi o grupo que obteve, em abril de 2021, receita de US$ 56,2 milhões, um incremento de 39% sobre o mesmo mês em 2020, quando atingiu US$ 40,3 milhões.

Entre os principais produtos exportados estão farinhas e pellets de extração do óleo de soja, bagaços e resíduos sólidos da extração do óleo de soja e óleo de soja bruto. Nesse caso, os países que mais compram são os mercados consumidores da Holanda, da Polônia e da Indonésia.