18 de maio de 2021
Campo Grande 32º 19º

Economia

"Paulo Guedes é duro na queda", diz Bolsonaro sobre liberação de verbas

A- A+
source
Jair Bolsonaro 'culpou' Guedes por entraves em liberação de verbas
Antonio Cruz/Agência Brasil
Jair Bolsonaro 'culpou' Guedes por entraves em liberação de verbas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) 'culpou' o ministro da Economia, Paulo Guedes, pela falta de investimentos em pesquisas para tratamento contra à Covid-19 no país. Em live realizada nesta quinta-feira (22), o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, explicou que o entrave do Orçamento 2021 inibe os investimentos em estudos. Ao responder Pontes, Bolsonaro afirmou que tentará ajudar, mas que o "Paulo Guedes é duro na queda".

Bolsonaro ainda citou a redução de verbas destinadas para os ministérios. De acordo com o presidente, haverá forte corte no orçamento das pastas, o que implica em redução de investimentos.

"A peça orçamentária para os vinte e três ministérios é bastante pequena e é reduzida ano após ano, tá? Tivemos um problema no orçamento no corrente ano, então tem um corte previsto bastante grande, no meu entender pelo tamanho do orçamento, para todos os ministérios, todo mundo vai pagar um pouco a conta disso aí".

Jair Bolsonaro ainda justificou a redução do valor do novo auxílio emergencial por dificuldades financeiras enfrentadas pelo país.

"Ah, continue com R$ 600 até acabar a pandemia. Eu gostaria, mas por mês, no ano passado, representava um endividamento para União de quase R$ 50 bilhões", afirmou.

Orçamento 2021

O presidente Jair Bolsonaro deve sancionar nesta quinta-feira (22) a Lei Orçamentária Anual de 2021. A expectativa é de ser vetado R$ 20 bilhões em gastos discricionários, inclusive de emendas parlamentares. Caso não assine o texto nesta quinta, o Orçamento perderá a validade e será necessário passar pela aprovação do Congresso Nacional novamente.

Após semanas de negociações, Palácio do Planalto e parlamentares chegaram a um acordo para bloquear parte dos valores destinados para gastos não obrigatórios e liberar despesas emergenciais para serem calculadas fora do Teto de Gastos.