30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

Corinthians bate Oeste e quebra jejum de seis jogos sem vencer

94783

Aos dois minutos, um susto: gol do Oeste. Mas parece que acabou a fase ruim do Corinthians. Carregado por Jadson, o time virou o jogo para 2 a 1, no estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto (SP), reencontrou a vitória depois de seis jogos e voltou à briga no Campeonato Paulista. A distância para o Ituano, após a nona rodada, caiu de sete para quatro pontos (15 a 11), graças à vitória do Palmeiras.

Portanto, o time de Mano Menezes pode sonhar com a classificação às quartas de final. Ainda tem seis jogos para isso. Outro fator positivo: o Corinthians não marcava dois gols em um jogo desde a primeira rodada, na vitória contra a Portuguesa por 2 a 1, no Canindé.

A camisa 10 caiu bem em Jadson. Em dois jogos, ele já é o melhor jogador do Corinthians. É o meia de ligação mais criativo e inteligente do time. Sem ele, provavelmente, os 45 minutos iniciais terminariam de um outra forma, afinal o Oeste saiu na frente e controlou o jogo ao menos por 25 minutos.

Quando Mano Menezes ainda se ajeitava no banco de reservas, viu o seu time sofrer mais um gol, o 14.º em 9 jogos, naquele que já é problema crônico de sua equipe: a bola enfiada por trás dos laterais. Uendel e Felipe é uma combinação que o desempenho em campo comprova que não funciona. Não pela tal fama de azarado do zagueiro, mas pelo espaço entre ele e o lateral-esquerdo. João Denoni invadiu a área, cruzou rasteiro e Lelê, sozinho, livre de marcação, fez 1 a 0.

No minuto seguinte ao gol, feito aos dois minutos, Felipe fincou terreno na direita, por onde joga Fagner. Gil ficou pela esquerda. O Corinthians sentiu o baque. Passou a ter dificuldades de criar jogadas e sofreu contra-ataques perigosos. São erros de times desesperados e que estão pressionados a vencer. Se perdesse, poderia terminar a rodada na zona de rebaixamento, o que só pioraria as coisas para Mano Menezes.

O esquema com dois meias de ligação foi uma decisão acertada. Mas até a metade do primeiro tempo Jadson não conseguia encaixar uma jogada pelo lado esquerdo, Danilo estava apagado e Romarinho tinha dificuldade em sair da marcação. A consequência destes erros era que Guerrero não conseguia prender a bola na frente.

O jogo fluiu mais quando Jadson caiu pelo setor central do campo. Ele estava no lugar certo quando recebeu a bola de Gil. Com um toque de letra, "matou" três marcadores e fez a bola chegar a Romarinho, que acertou um raro chute de fora da área: 1 a 1, aos 27 minutos.

Aliviado, o Corinthians acalmou o jogo, passou a tomar contra da partida e parou de correr riscos desnecessários. Tomou uma forma de time. Jadson roubou uma bola e Guerrero quase virou. Aos 42 minutos, o camisa 10 resolveu: acertou um chute de longe, no mesmo canto que Romarinho tinha aberto o placar.

No segundo tempo, o Corinthians confirmou a vitória. O time corrigiu as falhas defensivas, de cobertura, ainda que Fagner tenha cometido uma falha quase crucial, de linha de impedimento. Felipe se recuperou e evitou o que seria o gol de empate.

O pecado do time de Mano Menezes foi ter levado os 15 minutos finais em banho-maria. A entrada de Paulinho no lugar de Romarinho foi uma tentativa de dar mais gás ao time. Mas aquela situação limite, de assegurar o 2 a 1 até o fim, é sempre preocupante.

No sábado, o Corinthians volta a campo, às 21 horas, no Pacaembu, para enfrentar o Rio Claro. Emerson, recuperado de uma pequena cirurgia de retirada de um abscesso, poderá voltar e Mano Menezes terá a chance de mudar o ataque. O que o técnico não pode mexer mais é na formação com dois meias.

Estadão