23 de outubro de 2020
Campo Grande 33º 22º

Injúria racial mancha o Ciclismo de Mato Grosso do Sul

A segunda etapa do Campeonato Estadual de Ciclismo Olímpico, realizada em Maracaju, no último final de semana, foi manchada por uma injúria racial vindo de um próprio atleta. O ciclista douradense Nicolas Azambuja Rodrigues, 18, da Associação Modelo de Ciclismo Douradense(AMDC), foi chamado de ‘seu neguinho de bosta’ pelo acusado, Walter Henrique Serrou Pimentel, 40, de acordo com o Boletim de Ocorrência nº 2.975/2014, registrado na segunda-feira, dia 2 de junho deste ano na 1ª Delegacia de Polícia de Dourados. Duas testemunhas, que viram o caso, foram ouvidas e confirmaram a injúria racial do ciclista de Campo Grande com o douradense. O fato aconteceu após a etapa da categoria Elite, onde o douradense disputou e ficou na sétima colocação e o acusado, na sexta. “Eu fui buscar um Gatorade no carro. Quando voltava, ele(Walter) chegou e começou a bater no braço mostrando a sua cor e dizendo: “Seu neguinho de bosta’ e ainda tentou me agredir. Eu fiquei surpreso porque na prova não aconteceu nada e foi uma corrida aberta”, disse Nicolas, que para não ser agedido pelo acusado, teve apoio de outros dois ciclistas que contiveram o acusado. Segundo Nicolas, Walter ainda ofendeu outro ciclista com palavras de baixo calão e que eese ciclista também iria registrar um BO contra o ciclista. Ainda em Maracaju, Nicolas foi até a Delegacia de Polícia. Como era domingo, não conseguiu registrar o BO. Mas foi orientado por um policial para fazer em Dourados, que seria remitido para aquela delegacia, onde as providências seriam tomadas. A AMDC, através de seu presidente, Paulo Lobo, emitiu ontem uma Nota de Repúdio onde dizia que ‘nosso atleta sofreu discriminação racial pelo atletas Wlater Pimentel, da Equipe Gilmar Bicicletas, da cidade de Campo Grande. Diante disso, solicitamos à Federação MS de Ciclismo , apuração dos fatos em razão da conduta dos envolvidos no caso, com as respectivas sanções,a fim de evitar novos casos. A AMDC se solidariza com o atleta Nicolas Azambuja e repudia veemente qualquer ato de racismo em nosso país. Por um mundo mais igual e por um esporte maisa saudável, justo e sem preconceito”, fecha a nota, assinada pelo presidente. O PROGRESSO entrou em contato com o presidente da Federação MS de Ciclismo, Carlos Cesar Gimenes, que ficou surpreso com o fato e repudiou a atitude do atleta. “Vamos encaminhar o caso para o Tribunal de Justiça Desportiva que tomará as decisões. E fora isso, este caso, que merece, sim, publicidade, será levado também à Justiça Comum para as providências necessárias. É inadimissivel que isso manche o nosso esporte, que está crescendo. Somos um país multirracial e é estranho um atleta dizer isso ou tomar atitudes como essa num tempo que que se discute o racismo em todas as esferas. A Federação não compartilha isso e vai tomar as providências”, disse. O PROGRESSO tentou, na tarde de ontem, por várias vezes, falar com o acusado, sem sucesso, pelos dois telefones citados no BO. O Progresso