23 de setembro de 2020
Campo Grande 31º 17º

Patrocinadores têm influência na escolha de data da Copa de 2022

A preferência da Fifa era realizar o Mundial do Qatar no começo de 2022, e não no fim do ano. Mas ela desistiu para não coincidir com outros dois grandes eventos que acontecem na época: os Jogos Olímpicos de Inverno, sempre em fevereiro, e o Super Bowl –a final da NFL, liga profissional de futebol americano– que acontece entre fim de janeiro e início de fevereiro.Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 ainda não têm sede definida, mas Fifa e COI (Comitê Olímpico Internacional) têm patrocinadores em comum, como Visa e Coca-Cola. E estes não gostariam de ter dois eventos dividindo as atenções. A Copa de 2022 será a primeira disputada distante de maio, junho e julho, meses que receberam o Mundial desde a sua primeira edição, em 1930. Foi o que disse nesta quarta-feira o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. Segundo ele, a Copa deve ser disputada em um período entre 15 de novembro de 2022 e 15 de janeiro de 2023, no inverno local. Apesar de o cartola abrir possibilidade de o torneio virar o ano em andamento, Qatar e Fifa trabalham com os meses de novembro e dezembro como os mais viáveis. Já há até uma possível data para a final em discussão entre a Fifa e o governo do Qatar, segundo a Folha apurou: 18 de dezembro de 2022, um domingo, feriado no país para a comemoração do Dia Nacional do Qatar. POSIÇÃO PESSOAL Horas depois de Valcke ter falado sobre o assunto a uma rádio francesa, a Fifa emitiu uma nota em que diz que a data revelada na entrevista é uma posição pessoal do secretário-geral e que a entidade ainda discute com o governo do Qatar, federações e outras instituições qual o melhor período para a Copa. A Fifa pretende ter uma decisão até dezembro de 2014. Antes disso, fará reuniões para discutir o assunto. Apesar de a entidade desvalorizar a informação dada por Valcke, é ele o responsável na Fifa para questões técnicas, como definir datas e horários de uma Copa. Tudo é discutido pelo Comitê-Executivo da Fifa e pelo Comitê Organizador Local do país-sede, mas a posição de Valcke dada ontem é relevante porque ele comanda as conversas sobre esses temas. Até o presidente Joseph Blatter se mostrou favorável à mudança para o inverno.  O calor do verão qatariano, que pode chegar a médias máximas de 41°C entre maio e julho, preocupa a Fifa e associações de jogadores. Por isso, desde que o país foi escolhido como sede, em 2010, avalia-se alterar a disputa para o inverno local. "Se você jogar entre 15 de novembro e, vamos dizer, o fim de dezembro [de 2022], é o período em que o clima é o mais favorável. Você joga com a temperatura de 25ºC", disse Valcke em entrevista à rádio France Info. CALENDÁRIO O principal problema de alterar o Mundial do meio para o fim do ano é o desajuste que provocará nas competições dos clubes. Entre novembro e dezembro esses torneios estão chegando ao meio da temporada na Europa. O Campeonato Inglês, um dos mais ricos do mundo, faz jogos até mesmo entre o Natal e o Ano-Novo. Pelo atual regulamento da Fifa, a Copa desfalca esses clubes em quase dois meses porque, antes do Mundial, a entidade exige uma semana de descanso aos atletas e outras duas de preparação. Folha de São Paulo