15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

Ponte vira sobre São Paulo na semifinal da Copa Sul-Americana

A Ponte Preta não para de surpreender na Copa Sul-Americana. Perto do rebaixamento no Brasileirão, o time de Campinas manteve o brilho na competição internacional na noite desta quarta-feira ao derrotar o atual campeão São Paulo, de virada, no Morumbi. Com o placar de 3 a 1, a Ponte abriu importante vantagem no jogo de ida do duelo que vale vaga na decisão.

Com o triunfo na casa do rival, o time de Campinas pode perder por até 2 a 0 na volta, na próxima quarta - gol fora é critério de desempate. Para o São Paulo, a vaga em mais uma final só será conquistada em caso de vitória por três gols de diferença, ou por apenas dois, em resultados a partir de 4 a 2.

A partida da volta, na quarta-feira, já virou alvo de polêmica desde a semana passada. O duelo será disputado no Estádio Romildo Ferreira, em Mogi Mirim, porque a casa da Ponte, o Moisés Lucarelli, foi vetada pela Conmebol. A entidade, sob pressão do São Paulo, impediu a disputa do jogo em Campinas porque o estádio não conta com a capacidade mínima de 20 mil lugares.

Do lado do São Paulo, o único que teve motivo para comemorar nesta quarta foi Rogério Ceni. Ele comemorou mais um feito histórico em sua carreira ao chegar aos 1.116 jogos com a camisa do São Paulo, igualando marca de Pelé. O Rei do Futebol era o recordista de número de partidas pelo mesmo time, com o Santos, até o goleiro são-paulino alcançar esta marca - deve ser superada no domingo, no duelo contra o Botafogo, no Morumbi, pelo Brasileirão.

O JOGO

Com a vantagem de decidir o confronto em casa, a Ponte Preta entrou em campo nesta quarta disposta a segurar um empate no Morumbi. Ou até a pensar em uma vitória, a partir de contra-ataque. E a estratégia deu certo por 20 minutos. Neste período, a defesa campineira foi impecável e neutralizou cada tentativa dos anfitriões no ataque.

Mas a tática veio abaixo quando Aloísio deu passe da direita e Ganso acertou chute rasteiro, da entrada da área, no canto esquerdo do goleiro Roberto. O gol fez a Ponte deixar a retranca e sair para o jogo. Assim, o time de Campinas criou sua primeira chance de gol aos 31, com finalização de Artur e defesa de Rogério Ceni.

Mais tímida no ataque, a Ponte acabou contando com a sorte para buscar o empate em sua segunda jogada ofensiva. Rildo iniciou lance pela esquerda, acionou Uendel, que passou por Denilson e cruzou rasteiro. Antonio Carlos tentou desviar e acabou mandando contra as próprias redes, aos 43 minutos.

O gol renovou a confiança dos visitantes, que começaram o segundo tempo em ritmo forte. O São Paulo correspondia e, apesar da forte chuva, o jogo era bem disputado. O time da casa, no entanto, se assustou quando Fernando Bob encheu o pé e Rogério fez grande defesa. No rebote, Leonardo decretou a virada da Ponte, aos 7.

A situação ficou pior para o São Paulo quando Uendel investiu pela esquerda e bateu forte. A bola desviou em Wellington e não deu chances de defesa a Rogério. Aos 25, a Ponte vencia por 3 a 1 e calava o Morumbi.

Desesperado, o São Paulo foi para o ataque, com Luis Fabiano e Welliton nas vagas de Maicon e Ademilson. Mas não teve sucesso. O time acumulou chances desperdiçadas, a maior delas, aos 40, quando César e Artur, em dois momentos seguidos, tiraram a bola quase na linha do gol da Ponte. Insatisfeito, o São Paulo pressionou até o fim, mas não conseguiu reverter a desvantagem neste jogo de ida.

O vencedor do confronto brasileiro terá pela frente o vitorioso do duelo entre o Libertad, do Paraguai, e do Lanús, da Argentina. Os dois times farão o primeiro jogo na noite desta quinta-feira, em Assunção. A volta está marcada para a quinta da próxima semana, em solo argentino.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 1 x 3 PONTE PRETA

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Antonio Carlos e Reinaldo; Denilson, Maicon (Luis Fabiano), Lucas Evangelista (Wellington) e Paulo Henrique Ganso; Ademilson (Welliton) e Aloísio. Técnico: Muricy Ramalho.

PONTE PRETA - Roberto (Edson Bastos); Artur, César, Diego Sacoman e Uendel; Baraka, Fernando Bob, Fellipe Bastos (Chiquinho) e Elias (Magal); Rildo e Leonardo. Técnico: Jorginho.

GOLS - Ganso, aos 20, e Antonio Carlos (contra), aos 43 minutos do primeiro tempo. Leonardo, aos 7, e Uendel, aos 25 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - César, Fellipe Bastos, Paulo Miranda, Uendel.

ÁRBITRO - Diego Abal (Fifa/Argentina).

RENDA - R$ 1.814.485,00.

PÚBLICO - 53.302 pagantes.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Agência Estado