29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

Retrospectiva 2013 do esporte de MS

Janeiro

Furacão arrasador

O ano de 2013 ficou marcado para o Cene pela conquista do quinto título estadual, e a abertura da temporada demonstrava que o Furacão Amarelo seria implacável com os adversários. Que diga o Comercial-MS, a primeira vítima. Logo na rodada de abertura, o Cene despachou o colorado por 5 a 0.

Inimigo alado

A sorte parecia não andar ao lado do Comercial-MS. Até mesmo a dengue tirou o sono da comissão técnica. Em meio a uma epidemia da doença em Campo Grande, o elenco comercialino sofreu com baixas de três jogadores.

Fevereiro

Para brilhar lá fora

O desempenho da sul-mato-grossense Michele Ferreira nas paralimpíadas de Londres 2012, com duas medalhas de bronze no judô, chamou a atenção do Time São Paulo. Em fevereiro, a judoca despediu-se da terra natal para integrar a equipe paulista.

Artilheiro musical

O atacante Careca foi o artilheiro do Campeonato Sul-Mato-Grossense pelo Cene, com 19 gols em 18 jogos. Mas em três oportunidades, o jogador marcou três gols em cada partida, o que valeu a Careca o apelido de ‘artilheiro musical’ – já que ele teve direito a pedir música no Fantástico.

Março

Modinha

Lembra do “Harlem Shake”, meme da internet que se espalhou pelo mundo inteiro? A moda também chegou no Campeonato Sul-Mato-Grossense. Os jogadores do Comercial-MS fizeram a dancinha para comemorar um dos gols contra o Misto, no empate em 2 a 2 pela primeira fase da competição.

De volta à roça

Era para ser um retorno triunfal à elite do futebol estadual, mas o Corumbaense não conseguiu se firmar na Série A e caiu para a segundona. O jeito será disputar em 2014, ano do centenário do clube, a divisão de acesso. Quem também deu adeus à primeira divisão foi a Serc, depois de quatro temporadas entre os grandes de Mato Grosso do Sul.

Abril

Mancha no futebol estadual

O que era para ser uma festa das torcidas acabou em briga generalizada no estádio Saraivão. O Ivinhema eliminou o Misto nas quartas de final do Campeonato Sul-Mato-Grossense, mas um tumulto nas arquibancadas resultou em um torcedor ferido gravemente. O clube foi punido com a perda do mando de campo e a interdição do estádio, e o torcedor teve alta médica um mês depois do incidente.

Tóquio 2025

“Sonhar não custa nada”, já diz a letra do samba enredo. A torcida do Naviraiense levou a estrofe ao pé da letra quando a equipe eliminou a Portuguesa, dentro do Canindé, pela primeira fase da Copa do Brasil. O feito inédito motivou um torcedor a escrever no cartaz: ”Naviraiense rumo a Tóquio 2025?.

Maio

Não tem pra ninguém

Superior em tudo, o Cene levantou a taça do Campeonato Sul-Mato-Grossense com direito agoleada por 4 a 0 no segundo jogo da decisão, no estádio Morenão. O predomínio cenista na temporada refletiu-se na seleção do campeonato: foram cinco jogadores indicados, além do técnico Valter Ferreira.

Junho

Ascensão e queda

O Naviraiense perdeu por 8 a 1. Antes fosse uma goleada em campo, mas aconteceu nos tribunais. O Jacaré do Conesul, que na bola eliminou o Paysandu pela segunda fase da Copa do Brasil, viu a vaga escapar das mãos por ter escalado irregularmente dois jogadores na partida de volta. O caso foi levado ao STJD, que reverteu o resultado dos gramados e colocou o Papão de volta na competição. Ao Naviraiense, restaram dívidas e a amargura de uma eliminação precoce.

Julho

Retrato do abandono

O ginásio Guanandizão, em Campo Grande, nunca passou por uma reforma em seus 29 anos de construção. A arena que já foi palco de grandes eventos esportivos, como a Liga Mundial de vôlei,tem sido deixada de lado para competições de alto nível. Enquanto não recebe atenção do poder público, o ginásio sofre com ações de vandalismo e falta de conservação.

Pagando mico

A partida entre São Caetano e Palmeiras pela Série B do Brasileirão seria disputada no estádio Morenão. Seria, porque a diretoria do Azulão rejeitou a proposta de mudar o mando de campo para Mato Grosso do Sul. Teve palmeirense que chegou a comprar ingresso para ver o Verdão em Campo Grande. Sorte dele que o dinheiro foi devolvido.

Reencontro esperado

O Operário-MS estava afastado do futebol havia dois anos, depois de desentendimentos com a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul. Cicatrizadas as feridas, o alvinegro voltou à ativa para disputar a Série B do campeonato estadual, e julho marcou o reencontro do time com a torcida.

Agosto

Conquista inédita no futsal

Foi em Bela Vista que ficou o troféu transitório da Copa Morena de futsal. A equipe local derrotou a Aefa de Dourados na final e conquistou pela primeira vez o título da competição mais tradicional do futsal de Mato Grosso do Sul.

Debandada dos ‘craques’

O União-MS entrou com tudo na disputa da Série B Sul-Mato-Grossense. No elenco, nomes como Platini e Roberto Rivelino… tudo bem que eram xarás dos craques do futebol mundial. Mas o sonho do acesso inédito à elite do futebol estadual durou pouco. A equipe de Dourados sofreu com adebandada dos dois ‘craques’ e de outros 12 jogadores, às vésperas do jogo que valia a classificação para a fase seguinte.

Setembro

‘Não volto para lá’

Mergulhada há dois anos em uma guerra civil que já deixou 110 mil mortos, a Síria sofreu com a crescente escalada da violência este ano. O futebol local deixou de ser oportunidade para brasileiros como o atacante Edmar Ferreira, de 29 anos. Ele defendeu um time da capital Damasco no primeiro semestre e até recebeu proposta para permanecer,mas decidiu rumar para a Índia.

Medalhas no Reino Unido

O paradesporto de Mato Grosso do Sul voltou reluzente dos Jogos Escolares do Reino Unido. No atletismo, Gabriela Ferreira faturou ouro e prata, enquanto que Davi Wilker ficou com a prata.

Lusa e Timão em Campo Grande

A goleada de 4 a 0 aplicada pela Portuguesa sobre o Corinthians, no Morenão, pode ter selado a crise do Timão no Brasileirão, mas fez a alegria de um torcedor especial da Lusa: Arnaldo Domingues Fernandes, de 76 anos, é fundador e presidente de honra do xará da Lusa, sediado em Campo Grande. Ele só tinha visto de perto o time do coração uma única vez, há mais de 35 anos.

Outubro

Jogos de Paz

A terra Buriti, em Sidrolândia, virou palco de conflitos agrários entre índios e produtores rurais. Mas o clima de tensão e o medo da violência não afetaram a realização dos Jogos Indígenas. As competições envolveram cerca de mil alunos em várias modalidades.

Só deu África

Como de costume, os africanos dominaram as provas de elite masculina e feminina da Volta das Nações, em Campo Grande. Mark Korir, do Quênia, e Jackline Sakiru, da Tanzânia, foram os grandes campeões. Em todas as cinco edições já realizadas, a meia-maratona foi vencida por africanos. Este ano, a corrida de rua teve recorde de inscritos: 24,5 mil.

Novembro

MS sonha com times na Série B

O Luverdense, time do vizinho Mato Grosso, conquistou a inédita vaga à Série B do Brasileirão em 2014. Feito que deixou esperançosos os dirigentes de clubes de Mato Grosso do Sul. Com a chegada de um clube fora do eixo Sul-Sudeste nas divisões principais, a crença geral é de que, com um pouco mais de investimento e trabalho, os sul-mato-grossenses também podem chegar lá.

Jogos de Aventura no Pantanal

Corumbá recebeu 600 praticantes de esportes radicais para a primeira edição do Pantanal Extremo. Foram seis modalidades em disputa: stand up paddle, voo livre, maratona aquática, orientação, canoagem e mountain bike. O evento foi um sucesso na opinião dos atletas, e a edição 2014 já tem data marcada.

Jogo da Taça no Morenão

Já garantido na Série A e com o título antecipado da segundona, o Palmeiras veio a Campo Grande para fazer o ‘jogo da taça’ contra o Ceará, pela última rodada. O torcedor palmeirense que foi ao Morenão viu um show do Verdão: goleada de 4 a 1.

Dezembro

Quem é o melhor?

O mês dos rankings apontou o Cene como o melhor clube sul-mato-grossense, pelo segundo ano consecutivo, na lista divulgada pela CBF e que leva em conta o desempenho em competições nacionais nos últimos cinco anos. Foi produzido um ranking semelhante e computou os resultados dos estaduais. Nesse quesito, quem lidera é o Naviraiense.

Exportiva do MS