15 de agosto de 2020
Campo Grande 35º 22º

São Paulo quer quatro reforços para a próxima temporada

A melancólica eliminação para a Ponte Preta na Copa Sul-Americana enfim fez o 2014 começar no São Paulo. A diretoria, que já fez duas reuniões com Muricy Ramalho para tratar do assunto, irá intensificar o trabalho a partir de agora e a missão é renovar todo o setor ofensivo para a próxima temporada.

O consenso no clube é de que a defesa está resguardada e com diversas opções para ser montada; dessa forma os esforços serão concentrados do meio-campo para a frente e, por ora, o clube trabalha inicialmente com quatro atletas - um volante, um meia e dois atacantes - que cheguem para jogar, exatamente como pediu o treinador após a partida contra a Ponte.

Na avaliação dos diretores ouvidos pelo Estado, o Tricolor tem uma espinha dorsal formada por Rogério Ceni (se o goleiro renovar), Rodrigo Caio, Antonio Carlos, Maicon, Ganso e Luis Fabiano. As demais posições precisam ser reforçadas; Luis Ricardo, da Portuguesa, já foi contratado para a lateral direita e Reinaldo terá os direitos comprados junto ao Penapolense mais pela falta de opções disponíveis do que por convicção.

Para o meio, Jucilei, hoje no Anzhi, e Bruno Henrique, da Portuguesa, são no momento as opções vistas com maior interesse. O acerto mais fácil é com o segundo, que pertence ao Londrina. Fabrício será liberado e Denilson ou Wellington podem ser negociados. “Existe (chance de sair), claro que existe. Falo isso porque não sei o que o São Paulo planeja, não sei o que vai fazer. O meu foco é ficar porque tenho contrato até 2017”, disse Denilson, que teve o vínculo prorrogado a contragosto de Juvenal Juvêncio no meio do ano.

Jadson e Osvaldo entrarão como moeda de troca em outras negociações, mas o camisa 10 ainda não é visto como carta fora do baralho por Muricy. Luis Fabiano voltou a ter a cotação elevada após o período na reserva e só sai por uma boa quantia em dinheiro - a avaliação é que ele reagiu bem “à medicação imposta” pelo treinador, nas palavras de um diretor.

No ataque o desejo é por ao menos um jogador de velocidade, mas a diretoria vê dificuldades em negociar com Marcelo (Atlético-PR) e Scocco (Inter) e a vasculha o mercado internacional para enfim encontrar um substituto à altura para Lucas. O consenso é que ninguém foi capaz de manter um nível parecido ao do ex-camisa 7.

O estadão