19 de setembro de 2020
Campo Grande 32º 21º

Polícia

Após primeira fase da Omertà, começa dança de cadeiras na cúpula da Polícia Civil de MS

Marcelo Vargas dispensou Pedro Espíndola de diretoria especializada e realocou delegados

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul sofreu mais mudanças em cargos estratégicos nesta segunda-feira (11) e a verdadeira ‘dança das cadeiras’ volta a ser relacionada às investigações da Omertà, que levaram Jamil Name e mais 21 pessoas para a prisão.

Além de Name e o filho, Jamil Name Filho, a investigação implicou policiais civis, guardas municipais de Campo Grande, militar do Exército e até um policial federal lotado na Superintendência de Mato Grosso do Sul, todos suspeitos de integrarem uma organização criminosa voltada à prática dos crimes de milícia armada, porte ilegal de armas de fogo de uso restrito, homicídio, corrupção ativa e passiva, entre outros crimes.

Nos bastidores da segurança pública de Mato Grosso do Sul, já é dado como certo que a operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) terá nova fase. Desta vez, mirando ligações entre instituições oficiais sul-mato-grossenses e a suposta milícia armada suspeita de crimes de pistolagem em MS.

Oficialmente, o delegado-geral da Polícia Civil, delegado Marcelo Vargas, já afirmou que as exonerações e designações pós-Omertà não teriam ligação alguma com a operação. A reportagem voltou a questionar a DGPC (Diretoria Geral de Polícia Civil) sobre os rumores e aguarda retorno.

No Diário Oficial desta segunda, no entanto, o ato oficial de Marcelo Vargas que mais chamou a atenção nos bastidores da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) foi a exoneração do delegado Pedro Espíndola de Camargo, que ocupava a Diretor do Departamento de Polícia Especializada de MS.

Espíndola foi removido ex-oficio e assume a Assessoria de Gestão de Processo e Planejamento da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

Também foi publicado o retorno do delegado Carlos Delano ao cargo de titular da DEH (Delegacia Especializada de Homicídios). Ele havia sido removido para a Corregedoria da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul em abril deste ano, deixando a especializada de homicídios.

Delano foi removido da delegacia de homicídios quando estava à frente de execuções ocorridas na Capital, como do Ilson Figueiredo, Orlando Bomba e Matheus Coutinho, além do caso do boliviano Alfredo Rangel Weber, morto no dia 23 de fevereiro deste ano, pelo delegado Fernando Araújo de Corumbá.

Para o cargo, na época foi designado o delegado Márcio Shiro Obara, que já tinha sido titular da especializada e foi removido para a 3º Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande. Seis meses depois, em 1º de outubro, Obara foi removido por Marcelo Vargas, com prejuízo das funções, para a Delegacia Regional de Ponta Porã.

A remoção de Obara aconteceu após a deflagração da Operação Omertà, no dia 27 de setembro.

Nos relatórios da investigação, depoimento revelava suposta propina de R$ 100 mil a um delegado depois do assassinato de Ilson Figueiredo. A assessoria da Polícia Civil se manifestou com nota e classificou como ‘inverídica’ a denúncia de propina.

De acordo com as publicações no Diário Oficial desta segunda (11), Obara agora deve ir para a 2º Delegacia de Polícia Civil, sendo que o então titular da unidade, Sérgio Luiz Duarte, será removido para a Corregedoria da PCMS.