13 de maio de 2021
Campo Grande 25º 15º

Ajuda

Após resgatar poodle atropelado, cuidadora de animais pede ajuda

Cachoro foi atropelado dia 31 de dezembro

A- A+

Pessoas que se sensibilizam e acabam pegando animais para cuidar, adquirem também despesas, na compra de medicamentos, rações e na higiene dos animais. É o que conta a operada de caixa, Renata Martins Merlim, de 30 anos, que pede ajuda para salvar a vida de Pitoco, um cachorro que ela resgatou após atropelamento na semana das festas de fim de ano, no Jardim Bálsamo em Campo Grande. 

Segundo Renata, o cachorrinho da raça poodle, de aproximadamente um ano de idade, foi resgatado por volta das 10 horas, assutado com os fogos do dia 31 de dezembro, nas festas da virada do ano. Ele estava com mobilidade prejudicada após ser atropelado dias antes. "Eu vi ele andando pela região no dia 24, mas ele fugiu, estava com ferimentos no quadril, dia 31 peguei ele bastante machucado, usava coleirinha", explicou.

Após fazer um vídeo e colocar nas redes sociais pedindo ajuda para pagar as despesas veterinárias de Pitoco, a operadora de caixa acabou sendo procurada pela dona do bichinho. "Ela me procurou e me disse que também não tinha condições de ajudar, mas falei para ela pedir par parentes, amigos, qualquer ajuda é bem vinda", detalhou. 

O caso é bem comum em Campo Grande, as pessoas pegam animais para tirar da rua, mas acabam tendo despesas extras que, com o tempo se tornam insustentáveis. "Eu tenho mais de 18 gatos que resgatei, faço isso com muito amor desde os oito anos de idade, mas, com o preço das coisas e mais a despesa do Pitoco fica difícil, por isso pedi ajuda", explicou a cuidadora. 

Pitoco sendo atendido na clínica. Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Para aqueles que quiserem ajudar Renata com doações ou o pagamento das despesas clínicas do Pitoco, ela disponibilizou o número 67 99220-4827.

E quem quiser adotar um gatinho pode ir até a rua Ayde Roque, 358, no Jardim Bálsamo. "Animais não são brinquedo, sentem frio, fome; sede; assim como nós. Por favor se levar cuide, se tem o seu, cuide", finalizou Renata.