23 de abril de 2021
Campo Grande 31º 19º

JUSTIÇA

Após virar réu juntamente com a mãe pela morte de chargista, filho de massagista some

João Victor Silvestre de Azevedo ajudou a mãe a esquartejar o corpo do chargista, colocar em malas, jogar num terreno e ainda por fogo

A- A+

O filho da massagista Clarice Silvestre de Azevedo, de 44 anos, João Victor Silvestre de Azevedo Leite, de 21 anos, simplesmente sumiu após se tornar réu junto a mãe pela morte do chargista Marcos Antônio Rosa Borges, de 54 anos, em novembro de 2020. 

Segundo informações da justiça, foi feita a tentativa de entregar a intimação por duas vezes para o rapaz, mas em nenhum dos endereços encontrou o rapaz. Clarice responde por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima), além da ocultação e destruição de cadáver. O João, por ocultação de cadáver e também por concurso de pessoas.

De acordo com o processo, no dia 13 de janeiro o Juíz Carlos Alberto Garcete de Almeida mandou o oficial de justiça intimar mãe e filho para responder a acusação por escrito no prazo de dez dias.

Já no dia 25 de janeiro o oficial de justiça informou que não teve como intimar João Victor por não estar no endereço citado. No local, o oficial foi atendido por uma mulher que disse ser inquilina do imóvel e que não conhece o réu.

O Ministério Público Estadual informou que quatro dias depois, um novo endereço para que seja feita a intimação do filho da massagista, porém novamente João Victor não foi encontrado.

Segundo informou o oficial de justiça por meio de uma certidão no dia 8 de fevereiro que no endereço citado reside a avó materna do réu. A mulher informou que João morou ali quando criança e a muito tempo não mora mais com ela. Disse ainda não saber onde o neto está. Foi feito também contato por telefone, porém sem sucesso.

O MPMS informou mais um endereço na tentativa de encontrar o filho de Clarice e agora aguarda deferimento. João Victor Silvestre de Azevedo ajudou a mãe a esquartejar o corpo do chargista, colocar em malas, jogar num terreno e ainda por fogo.