28 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 22º

Aumento

Azambuja diz que “será muito difícil dar aumento a servidores”

Governador reafirmou que está no limite prudencial

A- A+

Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a afirmar que “será muito difícil dar aumento” aos servidores estaduais, caso a economia não melhore. O chefe do Executivo estadual já havia dito em várias ocasiões anteriores que o reajuste será zero ao funcionalismo.

Nesta quinta-feira (6), governador reafirmou que está no limite de gastos com pessoal e não pode ultrapassar o limite prudencial, porque, segundo ele, caso isso ocorra, o Estado sofre uma série de sanções, como dobrar o valor da dívida, entre outras coisas.

"Se a receita não crescer, não temos espaço fiscal para aumentar gastos com pessoal. Vamos aguardar a possibilidade de a economia voltar a crescer. Possibilidade das promoções por merecimentos, promoções que a gente travou”, disse o governador.

Azambuja afirmou ainda que a questão do reajuste será discutida, mas que no atual cenário, “é impossível qualquer aumento”. "A receita cai, não pode aumentar despesa, principalmente de pessoal. Não é o governador, é o estado", concluiu.

ABONO SALARIAL

No dia 29 de maio, a prorrogação do abono salarial para até 2020 foi sancionada pelo governador, após aprovação na Assembleia Legislativa.

O abono varia entre R$ 100 a R$ 240 e é pago a aproximadamente 40 mil servidores. Conforme o texto aprovado, o prazo para o pagamento, sem incorporação, foi estendido até 31 de maio de 2020, com validade já a partir de junho deste ano.

Apesar da manutenção do abono, ainda não foi batido o martelo quanto ao reajuste dos servidores estaduais. Azambuja já afirmou em várias ocasiões que o reajuste será zero, mas o diálogo ainda está aberto com as categorias do funcionalismo público.