MS Notícias

sbado, 04 de julho de 2020

AÇÕES

Boicote de anunciantes cobra Facebook no combate as fakes news

A suspensão fez Mark Zuckerberg perder R$ 39 bilhões e anunciar novas ações

Por: REDAÇÃO29/06/2020 às 10:25
ComentarCompartilhar
Foto: Reprodução/Divulgação

Onda de boicote global ameaça seriamente a rentabilidade das redes sociais, a começar por Facebook e Instagram. A campanha, puxada pelas ONGs anti-preconceito americanas NAACP, que nasceu do movimento negro, e Anti Defamation League, que combatia originalmente o antissemitismo, puxou inicialmente marcas de moda esportiva que têm tradição de abraçar causas sociais — The North Face e Patagonia. Mas logo vieram o apoio da Unilever, a segunda maior anunciante do mundo, e também da telecom americana Verizon, uma das grandes no país. A elas se juntaram, ao longo do fim de semana, Coca-Cola, Starbucks, Honda e PepsiCo. Todas se comprometem a suspender toda publicidade nas duas redes por algo entre 30 dias e até o final do ano. Pedem mais ações contra racismo, discursos de ódio e desinformação. Algumas dessas empresas também incluíram o Twitter, Instagram, Snapchat e YouTube.

A suspensão fez Mark Zuckerberg perder R$ 39 bilhões e anunciar novas ações: começará a marcar postagens com discurso político que violem suas regras e tomará outras medidas para evitar a repressão a eleitores e proteger minorias contra abusos. Não é suficiente para os organizadores da campanha Stop Hate for Profit. Eles querem estender o boicote com ajuda de empresas da Europa.

Mesmo assim, a suspensão atual já deve afetar o balanço do segundo trimestre do Facebook, que já vinha sofrendo queda na receita de anúncios por causa da pandemia. 

E está mesmo virando global. A campanha que nasceu da recusa por parte do Facebook de enfrentar mentiras e desafios à democracia publicados pelo presidente americano Donald Trump está ganhando apoios por toda parte. O príncipe Harry e sua mulher, Meghan Markle, aderiram e estão conversando com CEOs. Outras marcas importantes devem se juntar nos próximos dias. Mas o ataque não fere diretamente na lucratividade. Os 100 maiores anunciantes do mundo representam apenas 6% do lucro do Facebook com propaganda. O impacto maior é de imagem, pelo debate que é levantado e isola a rede como uma disseminadora de ódio e polarização.

A percepção de que há um problema nas redes sociais também se dá no Brasil. 81% dos entrevistados pelo último Datafolha afirmam que espalhar fake news contra políticos e ministros do STF representam uma ameaça à democracia.
A Folha de S. Paulo começou ontem uma campanha pró-democracia. Ancora sua linha editorial no último Datafolha, que ouviu de 75% dos brasileiros que a democracia é o melhor regime perante as alternativas. Trata-se do maior índice em 30 anos desde que a pergunta começou a ser feita. Em dezembro último, este número era de 62%. Conforme os ataques do presidente Jair Bolsonaro ao regime aumentaram, o apoio foi junto. O slogan do diário, ‘Um jornal a serviço do Brasil’ foi trocado até 2022 por ‘Um jornal a serviço da democracia’ e, em memória às Diretas Já, a redação incentiva seus leitores a vestirem amarelo.

Fonte: MEIO

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma