23 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 20º

HISTÓRIA

Cartomante disputa espaço com pastores pela clientela em viaduto

O local é pródigo em barracas do gênero. Outras dez concorrentes jogam cartas e búzios

Cartomante Marisa Alves, de 45 anos. Ela é "funcionária do viaduto" há 22 anos. Trabalha das 11h às 19h e nunca faltou. Em dia de sol, senta e monta a mesa. Quando chove, seu "consultório" parece instalação. Com roupas brancas e muitos colares, ela recebe cerca de 100 clientes por dia . A principal demanda é sobre a vida amorosa. "Todo mundo quer saber se foi traído. E, quando abro as cartas, confirmo que sim. Mas nem sempre falo", diz. "Para as mulheres, eu conto a verdade, para não ficarem com quem não gosta delas. Para os homens, eu minto. E se eles resolverem matar a namorada?", disse.  

O local é pródigo em barracas do gênero. Outras dez concorrentes jogam cartas e búzios, dividindo espaço com os pregadores evangélicos que passam o dia lendo a Bíblia e andando de um lado para o outro. A concorrência não é a única preocupação da vidente mais antiga do viaduto do Chá, em São Paulo. "Quando cheguei, era tudo novidade. As pessoas formavam fila para que eu tirasse as cartas", lembrou Marisa. "Hoje, aumentou a oferta e diminuiu a procura. As pessoas perderam a fé. Algumas desistem até de viver", lamentou.  

O viaduto também é um convite aos deprimidos. Marisa conta que, há algum tempo, salvou a vida de uma mulher. "Ela chegou, me entregou um papel com um número de telefone e foi para perto da grade. Segurei-a pela roupa para que ela não pulasse. Para a parte de baixo do viaduto", lembrou. 

O VIADUTO

O Viaduto do Chá foi o primeiro viaduto da cidade de São Paulo. Tem esse nome porque havia nas proximidades uma extensa plantação de chá da Índia. Com estrutura metálica vinda da Alemanha, o viaduto foi inaugurado em 1892. Liga a rua Direita (Centro Velho) com a rua do Chá, atual rua Barão de Itapetininga (Centro Novo). Em 1938, o velho viaduto com assoalho de madeira foi demolido, dando lugar a outro de concreto armado, com o dobro de largura. Durante muitos anos o Viaduto do Chá foi o principal cartão postal da cidade.

FONTE: PUBLICADO ORIGINALMENTE NA  REVISTA DA FOLHA METRÓPOLE.