05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

PROCURA-SE POMPOM

Casal aumenta para R$ 1 mil recompensa por "Pompom"

Cachorrinho doente veio do interior para fazer tratamento na Capital e está desaparecido

A- A+

O casal Joice Escarlete Chaves dos Santos, de 21 anos e Leonardo Augusto Madureira de Castro, de 29 anos aumentou nesta terça (23.nov.21) para R$ 1 mil a recompensa por quem achar ou estiver com o cachorrinho deles, de nome "Pompom", que está desaparecido desde 8 de novembro. 

Em reportagem aqui no MS Notícias, ontem (22.nov) o casal contou como "Pompom" desapareceu e ofereceu uma quantia de R$ 500 para recuperar o amiguinho. Em um vídeo veiculado pelo portal, Leonardo deu características do animal, que é doente e faz tratamento contra leishmaniose. O bicho veio de Ladário para a Capital para fazer tratamento recentemente, então, a tutora disse que "Pompom" não conhece o bairro. Veja o vídeo 

"Ele veio comigo de Ladário para cá. O 'Pompom' veio antes de mim, para fazer o tratamento de leishmaniose", explicou Joice.  

Joice disse nesta terça que algumas pessoas disseram ter visto "Pompom" na [Vila] Popular e no Jardim Aeroporto. "[terça.23.nov.21] Hoje uma pessoa disse que "acha" que viu ele no Nova Campo Grande novamente. Mesmo que não tenha certeza se é ele, qualquer informação é válida [...]. Ele é doentinho e precisa urgente voltar pra casa, pelo amor de Deus", apelou Joice em um post na rede social.  

O cachorrinho sem raça definida tem 7 anos de idade e desapareceu quando Joice e Leonardo saíram para o trabalho [...]. "A gente saiu para trabalhar, deixou tudo fechado, trancado. Quando a gente sai de casa a gente confere os portões se está tudo fechado, trancado, porque a gente tem 5 cachorros [...]. Só que aí na hora que a gente voltou do serviço, o Leonardo voltou primeiro que eu, e ele deu falta dos cachorros, né? Aí ele falou que a vizinha viu o portão aberto e não tinha nenhum dos cachorros aqui. Aí a gente foi procurar e achou só quatro, menos o Pompom", explicou a esteticista Joice na segunda (22.nov). Veja AQUI a íntegra desta reportagem.  

De acordo com a tutora, a suspeita é que alguém tenha tentado entrar no imóvel porque o cadeado estava no chão e um dos cachorrinhos, de nome Leon, estava com sinais de violência. "Eu achei muito estranho porque o Leon, que cresceu junto com o Pompom, ele voltou todo arranhado, todo machucado. Então, passou várias coisas na cabeça, pensei se a gente fechou mesmo o portão? Ou se alguém tentou entrar aqui, porque o cadeado estava no chão, foi muito estranho", lembrou Joice.  

O professor Leonardo detalhou em vídeo à reportagem quais as características de "Pompom". Veja  AQUI.