05 de dezembro de 2020
Campo Grande 30º 24º

TEIMOSIA

Com população negacionista, MS registra mais mortes e queda no isolamento

Desrespeito ao distanciamento tem pesado mais favorecendo o vírus, que já toma 91% dos municípios de MS

O negacionismo e descaso de parte da população sul-mato-grossense, leva o estado a viver um momento complicado e de exponencial aumento de óbitos provocados pela Covid-19. Apesar do alerta das autoridade de Sáude, dos veículos de comunicação, parte da população se nega a acreditar na fatalidade do vírus, até mesmo aqueles que não possuem doenças e que não são idosos, já que ainda não existem conhecimentos robustos sobre o comportamento do vírus no organismo.  

A baixa adesão da população às medidas restritivas necessárias para conter a pandemia, vem de encontro com o aumento das taxas, de testes positivos, de ocupação de leitos e de óbitos, que já somam 122 em MS. O desrespeito ao distanciamento tem pesado mais favorecendo o vírus, que já toma 91% dos municípios sul-mato-grossenses. 

Situação mapeada no domingo no país e nas capitais. Foto: Reprodução 

Os MS Notícias acompanhou os leitores nas páginas do site, a grande maioria deles justificam que o baixo isolamento se deve ao fato de a população 'ter que trabalhar'. No entanto, registra-se também aumento de circulação de pessoas nas ruas e lotação de bares e restaurantes em períodos sem expediente de trabalho.

Na noite de ontem (5.julho), uma pizzaria na Avenida Julho de Castilho, em Campo Grande, tinha mesas lotadas, com até 20 pessoas em uma sequência de mesas. O site prefere ocultar o nome do estabelecimento, visto que a cobrança também deve vir da população ao seguimento das regras estabelecidas pelo decreto municipal. O estabelecimento foi alertado pelo jornalista.  

Nas últimas semanas a doença se espalhou de forma expressiva no Estado. Para se ter uma ideia no dia 6 de junho haviam 2.132 casos, taxa de ocupação de leitos clínicos em 7%, UTI em 10% e 21 óbitos. Um mês depois, são 10.253 testes positivos, ocupação de leitos clínicos em 22%, de UTI em 40%, e 122 pessoas perderam a vida para o vírus.

Na sexta-feira (3.julho) Mato Grosso do Sul registrou o menor índice de isolamento social para o mês com índice de 35,9%. No sábado (4.julho) a adesão foi de 39,5% e no domingo (5.julho) subiu para 46,8%. As médias continuam muito aquém do recomendado para conter a disseminação do vírus de 60% a 70%.

Gráfico das taxas de isolamento social nas ultimas seis semanas na Capital. Foto: Reprodução 

Campo Grande que recentemente voltou a ser o epicentro da doença no Estado, também desenha o cenário de montanha russa com as taxas de recolhimento mapeadas. Na sexta-feira foi de 35,5%, no sábado de 39,2% edomingo 46,2%.

Além da Capital, as taxas mapeadas para o domingo nos municípios variam entre 29,2% anota do em Sete Quedas e 63,6% em Japorã. A lista completa pode ser conferida aqui.