11 de abril de 2021
Campo Grande 33º 22º

Esquecido

Descaso com teatro municipal de Dourados revolta populares


Espaço de fundamental importância para as manifestações culturais da população de Dourados, o Teatro Municipal enfrenta dificuldades em relação à limpeza do espaço e manutenção do sistema elétrico e de som.  Parte do gesso utilizado no forro corre risco de desabamento. A cobertura a seguir do site O Progresso, explica um pouco de como anda a situação do espaço público da grande Dourados. 

Segundo alguns representantes da classe artística douradense, o Teatro precisa de cuidados emergenciais para evitar problemas mais graves no futuro. "Vivemos um verdadeiro paradoxo. Se por um lado temos um prédio bonito e bem pensado, por outro lado, há um descaso das administrações há muito tempo, principalmente no que se refere à limpeza e manutenção das dependências internas do teatro", explica Marcos Chaves, professor do curso de Artes Cênicas da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e diretor da Companhia Teatral Última Hora.

A falta de manutenção do patrimônio público também pode ser avaliada através da presença de alguns visitantes incômodos. "Fui ao banheiro e logo percebi que tinha a companhia de um rato enorme. Tive que sair correndo de lá", conta a coreógrafa Blanche Torres. Além disso, para os artistas, os camarins são deixados de lado. "Além da sujeira e falta de pisos, lá não tem nenhum bebedouro", afirmam.

Na avaliação do conselheiro de Cultura e diretor da Cia Theastai, João Rocha, o Teatro Municipal tem feito parte das pautas de reuniões do Conselho Municipal de Cultura. "A falta de manutenção do Teatro Municipal de Dourados vem sendo debatida há muito tempo. Já está mais do que claro que apenas um técnico para cuidar de um espaço daquele tamanho e com 420 lugares disponíveis, é insuficiente. Além disso, não existe uma equipe de limpeza destinada ao local", explica Rocha.

Segundo ele, no entendimento do Conselho, o poder público tem que encontrar uma maneira de disponibilizar recursos para o Teatro Municipal. "É preciso instituir um fundo de manutenção, já que a Prefeitura recebe pela locação do espaço. Na realidade esse recurso não é revertido em investimentos no teatro, que precisa ser auto-sustentável. Além disso, já está na hora de estabelecer uma política de gerenciamento do local, com agendamentos através de editais de conhecimento público", defende o conselheiro.

As reclamações relacionadas à falta de manutenção do Teatro Municipal não partem somente do setor artístico. Uma equipe de reportagem do Jornal O PROGRESSO, que tem recebido inúmeras denúncias de leitores, esteve no Parque dos Ipês na semana passada e encontrou as portas do Teatro Municipal totalmente escancaradas. Durante mais de uma hora nenhum responsável apareceu no local.

Outro Lado

O secretário de Cultura do município, Carlos Fábio Selhorst disse que não existe falta de manutenção do Teatro Municipal. Segundo ele, o local não apresenta nenhuma deterioração e está sempre limpo. "Não tem nenhum teto desabando. Essas reclamações são infundadas. ", afirma, ressaltando que "o prédio precisa apenas de uma pintura externa". (  Marcos Morandi /O Progresso)