02 de dezembro de 2021
Campo Grande 31º 21º

Autismo

Encontro discute importância do diagnóstico precoce e contribuições para o autismo

A- A+

As Contribuições genéticas, a importância do diagnóstico precoce e acupuntura foram os temas que inauguraram a Semana da Conscientização do Autismo, que teve início nesta quinta-feira (5.4), na Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), em Campo Grande. O encontro é organizado pela Associação Nacional de Pais e Responsáveis Organizados pelos Direitos das Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (PRODTEA), com apoio do Governo do Estado.

Participaram da mesa o psiquiatra José Carlos Rosa Pires de Souza, a secretária-geral Adjunta da OAB/MS, Eclair Nantes, a professora doutora Graciela Pignatari e o coordenador de Apoio à Pessoa com Deficiência, David Marques, da Subsecretaria Municipal de Defesa dos Direitos Humanos.

Para o psiquiatra José Carlos, o diagnóstico precoce é de extrema importância pois é possível analisar as mudanças nos genes e mapear os possíveis tratamentos. “Quanto mais cedo o diagnóstico, melhor a evolução, o prognóstico. Infelizmente não temos uma cura, mas há muito a ser feito. Por isso, a importância do tratamento multidisciplinar, da capacitação de profissionais da saúde e da educação, juntamente com o trabalho dessa Associação”, apontou.

Doutora em Biologia Molecular, a professora Graciela Pignatari ressaltou as contribuições genéticas referentes ao autismo e outros aspectos relevantes: “Esse transtorno do neurodesenvolvimento que traz comportamentos repetitivos, interesses restritos, déficits sociais e comunicativos. A proporção entre meninos e meninas é de 4 para 1. Precisamos ressaltar os riscos genéticos e ambientais. Existem fatores que são ambientais como o uso de ácido valpróico, idade paterna, poluição e stress. Em relação à genética, sabemos que o risco de autismo é genético, é herança mutifatorial e aditivo”, explicou.

Carolina Espínola Alves Corrêa, representante da PRODTEA, lembrou que os autistas são considerados pessoas com deficiência e de acordo com a Lei nº12.764/2012. “É direito da pessoa com TEA o acesso a ações e serviços de saúde, incluindo identificação precoce, atendimento multiprofissional, terapia, medicamentos, entre outros. Vale lembrar também que pouco adianta formar técnicos e esquecer dos pais, pois são quem mais passa tempo com a pessoa com deficiência. A Associação trabalha em prol da orientação familiar e do atendimento a sociedade e aos profissionais”, ressaltou.

Os temas do segundo dia de evento serão aromaterapia, homeopatia, terapias integrativas e a importância da equipe multidisciplinar.

A Semana da Conscientização do Autismo encerra neste domingo (7.4) com o 1º Passeio Ciclístico e Caminhada, aberto ao público em geral e gratuito, com concentração e saída dos Altos da Avenida Afonso Pena, às 8 horas e atrações e brincadeiras disponibilizadas com apoio do Governo do Estado e da Prefeitura de Campo Grande.