24 de setembro de 2021
Campo Grande 36º 21º

DESCOBERTA | JURÁSSICO

Fóssil de 150 milhões de anos seria "avô" dos crocodilos modernos

A nova descoberta reafirma a importância do sul do continente sul-americano nas questões evolutivas e biológicas em todo o mundo

A- A+

BUENOS AIRES, ARGENTINA - Um esqueleto fossilizado de 150 milhões de anos foi descoberto nas montanhas do sul do Chile e está sendo considerado o ancestral do crocodilo moderno, anunciou o Museu Argentino de Ciências Naturais nesta sexta-feira, 23 de julho. 

O novo réptil, denominado Burkesuchus mallingrandensis, é um dos poucos crocodilos que habitaram o continente ao lado dos dinossauros.

"É um réptil até então desconhecido, ancestral dos crocodilos modernos, que há aproximadamente 148 milhões de anos habitou a Patagônia junto com os dinossauros. Batizado de Burkesuchus mallingrandensis, ocupa um lugar fundamental na história desses animais, conforme revelado pela estrutura do crânio e das patas traseiras", diz texto publicado no site do museu.  

A descrição das suas características e o alcance desta descoberta foram publicados ontem, dia 22 de julho de 2021, na revista Scientific Reports of the Nature group. (Veja a íntegra).  

O trabalho sobre Burkesuchus é liderado por Fernando Novas e Manuel Suárez, e contou com a participação de Rita de la Cruz, Federico Agnolín, Sebastián Rozadilla, Gabriel Lío, Marcelo Isasi e David Rubilar. 

A nova descoberta reafirma a importância do sul do continente sul-americano nas questões evolutivas e biológicas em todo o mundo. “Os últimos anos testemunharam a ascensão da paleontologia mesozóica no Chile, e animais como Chilesaurus e Burkesuchus ajudarão a mudar nossa compreensão da evolução dos répteis que dominaram a Terra na era mesozóica”, disse Manuel Suarez.

Os crocodilos apareceram no início do período jurássico, quase ao mesmo tempo que os primeiros dinossauros. Em poucos milhões de anos, eles invadiram o ambiente marinho, tornando-se grandes predadores de peixes e outras criaturas aquáticas. Os mares quentes e rasos do Jurássico serviram como vias de dispersão para esses crocodilos aquáticos, espalhando-se por vastas áreas do planeta. A América do Sul é famosa por seus ricos vestígios de grandes crocodilos marinhos, documentados por crânios e esqueletos articulados e muito completos, que foram escavados em rochas jurássicas ao pé dos Andes, tanto no Chile quanto na Argentina.