11 de maio de 2021
Campo Grande 34º 18º

Inflação

Gastos com habitação e transporte têm impacto de 0,5% na inflação

Apesar da alta, variação foi maior do que em abril do ano passado

A- A+

O levantamento mensal do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes), da Uniderp foi divulgado nesta segunda-feira (27), relativo ao mês de abril em Campo Grande. O aumento médio nos itens habitação, transporte e despesas pessoais foram responsáveis por um aumento de 0,54% na inflação local. 

Conforme análise da equipe econômica, a taxa é menor que a registrada em março deste ano, quando o índice foi de 0,67%. Além disso, o resultado já era esperado em razão ao aumento nas contas de energia elétrica na primeira semana de abril. 

Individualmente, as altas foram as seguintes: habitação com inflação de 2,06%, transporte com 3,58% e despesas pessoais que alcançou 0,91%. Em contrapartida, os segmentos com deflação (queda de preço) e que seguraram a média do indicador mensal  são: educação, alimentação e vestuário.

"O clima, que esteve muito severo nesse início de ano nas regiões produtoras de alimentos, principalmente frutas, verduras e legumes, com temperaturas muito altas e chuvas muito fortes melhorou, influenciando positivamente a produção desses alimentos e baixando, de modo geral, os preços. Por outro lado, o alto nível de desemprego e as altas taxas de juros praticadas na economia brasileira provocam o endividamento da população e freiam o consumo, inclusive de alimentos", explica o coordenador do Nepes/Uniderp, Celso Correia de Souza.

ACUMULADO

De acordo com o Nepes, a inflação acumulada no município de Campo Grande, no primeiro quadrimestre do ano foi de 1,99% e nos últimos doze meses de 5,03%. Os resultados estão acima da meta inflacionária estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em 4,25%, com tolerância de 2% para mais ou menos. 

Em abril, tradicionalmente, ocorre o reajuste nas tarifas de energia elétrica da cidade, que nesse ano foi de 11,48%, com 8,41% vigendo no mês de abril, restando, ainda, um reajuste de 3,07% para o mês de maio. O serviço de energia elétrica é aquele que tem o maior peso na composição da inflação.

VILÕES DA INFLAÇÃO 

Dentre os itens que mais participaram da alta inflacionária estão; tomate (36,7%), ovos (22,95%), energia elétrica (8,41%) e calça comprida masculina (7,9%). Os menores preços foram identificados nos seguintes itens: chuchu (-55%), laranja pera (-25,54%),  batata (-21,9%), queijo muçarela e prato (-16,42%).