14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

PRESERVAÇÃO

Governo anuncia queda de 16% na taxa de desmatamento da Amazônia

A- A+

O ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, anunciou nessa terça-feira, 17, que a taxa de desmatamento da Amazônia no último ano foi 16% menor do que a do ano passado. Segundo o ministro, os números são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e se referem ao período de agosto de 2016 a julho de 2017. O órgão destacou, ainda, que esse número representa uma diminuição de 76% em relação ao registrado em 2004.

Sarney Filho afirmou os que os dados confirmam uma tendência de queda do desmatamento da Amazônia e que “não houve nenhum retrocesso ambiental”.

“Versões que apontam redução de unidades da conservação não condizem com a realidade”, afirmou, ao lado do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (PSB).

Tanto Sarney Filho como auxiliares do presidente destacaram a medida como a primeira concreta do governo Temer, já que coincide com o período de um ano do presidente Michel Temer no governo e seria um contraponto em relação aos governos petistas.

“Foi uma redução que aconteceu na gestão Temer”, disse o ministro. “Na política ambiental, nós estamos avançando.”

De acordo com a pasta, o Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Inpe, apontou um corte raso de 6.624 km² de floresta entre agosto de 2016 e julho deste ano. Em 2016, desmatamento havia sido de 7.893 km².

Apesar de destacar cuidados para a redução do desmatamento, Sarney Filho disse que o “Brasil tem feito seu dever de casa”, mas que o País está “chegando ao limite”. “Será difícil manter a queda do desmatamento”, reconheceu.

Críticas

Durante sua fala, Sarney Filho fez críticas indiretas ao ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, pela confusão em torno do decreto que extinguia a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca).

“A Renca foi uma iniciativa do Ministério de Minas e Energia que, desencontradamente com os dados do desmatamento, teve que refluir e foi revogada”, afirmou o ministro do Meio Ambiente.