24 de julho de 2024
Campo Grande 31ºC

PANTANAL EM CHAMAS

Governo de MS decreta emergência em meio à devastação

A seca prolongada tem exacerbado os focos de calor, ampliando os danos ao ecossistema pantaneiro

A- A+

Com o Pantanal sul-mato-grossense sendo consumido pelo fogo, o governador Eduardo Riedel (PSDB) decretou situação de emergência nesta 2ª.feira (24.jun.24) nos municípios afetados por incêndios florestais. A medida abrange áreas protegidas, parques nacionais e estaduais, além de propriedades onde o fogo se alastrou sem controle, ameaçando a qualidade do ar.

A mobilização de todos os órgãos estaduais está autorizada para atuar sob coordenação da Defesa Civil do Estado, visando resposta imediata, reabilitação e reconstrução das áreas atingidas. Em casos de risco iminente, agentes podem adentrar residências para salvar vidas e ordenar evacuações, além de utilizar propriedades privadas sem necessidade de licitação em situações emergenciais.

A seca prolongada tem exacerbado os focos de calor, ampliando os danos ao ecossistema pantaneiro. A região, que abrange 65.000 km² e representa 45% do Pantanal brasileiro, enfrenta condições climáticas adversas com temperaturas de até 35°C, ventos fortes de até 40 km/h e umidade do solo crítica, em torno de 1%.

O rio Paraguai e seus afluentes, fundamentais para a bacia hidrográfica, estão com níveis extremamente baixos, o que tem contribuído para a propagação das chamas. Além disso, a fronteira com a Bolívia tem sido palco de incêndios que se iniciam em território brasileiro e se alastram para além da divisão internacional, dificultando os esforços de combate.

REPERCUSSÃO NACIONAL

Um vídeo dramático do Pantanal em chamas durante as festividades de São João em Corumbá viralizou nas redes sociais, gerando indignação e uma campanha para suspender o tradicional banho festivo. A economia local, centrada na pecuária e pesca, enfrenta prejuízos significativos tanto econômicos quanto ambientais, com sérias consequências para a fauna, flora e segurança das comunidades.

Enquanto a seca persiste e o fogo avança, autoridades e voluntários se mobilizam para conter o desastre, enfrentando um dos momentos mais críticos da história recente do Pantanal.