19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

Em negociação

Governo se reúne com oficiais da PM e Bombeiros para negociação salarial

Criação do sétimo nível na tabela salarial dos militares (aumento de mais cinco anos na carreira, com 5% de adicional por tempo de serviço); publicação de edital em junho para abertura de 330 vagas para sargentos e concessão de ganhos reais de salário de até 13% para soldados da PM. Essas são algumas das demandas das forças militares atendidas pelo Governo do Estado e ratificadas em reunião com oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, na manhã desta terça-feira (24), na Governadoria.

Coordenada pelos secretários de estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel; de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), José Carlos Barbosa, e de Administração e Desburocratização (SAD), Carlos Alberto de Assis, a reunião teve participação do comando da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros e 21 coronéis das corporações e serviu para alinhar as demandas dos militares em relação aos itens atendidos pelo governo nas sucessivas reuniões com as diferentes representações sindicais da categoria.

Verticalização no subsídio dos militares e abono salarial que representa um ganho acima da inflação para cerca de 70% do quadro de servidores também estão entre os itens oferecidos pelo Executivo Estadual. “Confirmamos aquilo que o governo já havia sinalizado. A distância entre o que está sendo contestado é pequena em relação ao que acordamos nas reuniões anteriores”, afirmou o secretário Assis.

Durante a reunião, o titular da Sejusp destacou que estão sendo investidos R$ 34 milhões em melhorias de infraestrutura. “Temos recursos para realizar reformas e recuperação de todas as viaturas e para aquisição de novas, bem como aquisição de armas e munições”, afirmou Barbosa aos oficiais. A reposição de mais de 5,2 mil coletes balísticos, outra demanda dos militares, também está sendo viabilizada com a homologação de licitação para a compra dos equipamentos. “Vamos ter um avanço não só salarial, mas na parte estrutural das reivindicações, atendendo demandas que são antigas”, destacou.

À frente das negociações salariais com todas as categorias do funcionalismo estadual, Eduardo Riedel destacou o comprometimento do Governo em transformar as propostas de melhoria salarial e reestruturação de carreiras em lei. “Pedimos um voto de confiança num momento difícil, mas com o compromisso de garantir as conquistas de ganhos e reestruturação de carreiras em projeto de lei, que será enviado para a Assembleia Legislativa”, afirmou. “Num momento de absoluta recessão, estamos numa ilha cercada de realidades mais duras por todos os lados”, comparou Riedel, fazendo menção à situação delicada da economia brasileira e as limitações que se impõem aos estados do ponto de vista orçamentário.

Como demanda dos oficiais, será feita uma nova análise da viabilidade de mudança no escalonamento do quinquênio, reajuste de 5% concedido a cada cinco anos de serviço cujo parcelamento foi estabelecido inicialmente até 2018. “Se houver possibilidade, vamos antecipar para 2016 ou 2017. Vamos ver se cabe dentro do bolso do governo”, afirmou Assis. A expectativa do Executivo estadual é que com o ajuste na concessão do quinquênio seja finalizada a negociação salarial com as forças de segurança militar do Estado.