18 de setembro de 2021
Campo Grande 38º 22º

CHINESA PRESA

Jornalista condenada por cobrir pandemia em Wuhan espera morrer na prisão

Zhang Zhan há cerca de seis meses faz greve de fome, foi alimentada à força por uma sonda recentemente e diz que, por sua dura pena, recusará alimento em cárcere

A- A+

Jornalista natural de Xangai, Zhang Zhan (37), que cobria a pandemia de Covid-19 desde o início do ano na cidade que foi epicentro da doença, Wuhan, foi condenada hoje (28.dez.2020) a cumprir quatro anos de prisão. A sentença vem por suas denúncias em redes sociais, em que relata a situação de hospitais da região que foi ponto central de partida do novo coronavírus que assola a humanidade. Em maio a profissional foi detida por "provocar distúrbios", nomenclatura dada às ações de opositores do regime do presidente Xi Jinping. Há praticamente um ano, em 31 de dezembro de 2019, o primeiro caso da doença foi comunicado à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Informações da France Presse (agência de notícias), apontam que a jornalista viajou em fevereiro até Wuhan, de onde publicava sobre a situação nos hospitais, que na época, era completamente caótica. Com a sentença, o advogado de defesa, Ren Quanniu, alertou ao estado psicológico de sua cliente.

Condenada à quatro, dos cinco anos que poderia receber como pena, desde junho Zhang protestava contra sua detenção com uma greve de fome, alimentada à força por uma sonda, segundo os advogados. 

Há uma semana, Zhang comprometeu-se com um de seus defensores que recusaria qualquer alimento até o fim caso recebesse uma sentença pesada. "Ela acredita que vai morrer na prisão", explicou o advogado Zhang Keke."

Ao lado de Zhang Zhan, jornalistas e diplomatas estrangeiros foram até o tribunal onde ocorria o julgamento, em Xangai, entretanto, foram impedidos de entrar na sala de audiências, enquanto simpatizantes também foram afastados pelas forças de segurança.

Dados revelam que - entre janeiro e maio - a metrópole de Wuhan contabilizou a maior parte dos 4.634 óbitos contabilizados em toda China, quase 4 mil mortes por Covid-19. A agência de notícias aponta a demora de reação à epidemia, com Pequim tomando atitudes de quarentena com quase dois meses de detecção de casos do novo coronavírus. 

Nessa história, médicos que mencionaram o surgimento de um misterioso vírus foram interrogados pela polícia e acusados de "propagar boatos", sendo que, meses depois a morte do Dr. Li Wenliang, vítima da Covid-19 no início de fevereiro, provocaria indignação nas redes sociais através do globo. 

Como de costume durante as festas de fim de ano, quando diminui a atenção do resto do mundo e o governo chinês aproveita para condenar os opositores, três outros jornalistas Chen Qiushi, Fang Bin e Li Zehua também foram detidos após a cobertura dos eventos. Com os jornalistas sendo os relatores da história contemporânea, esse processo de Zhang acontece pouco antes de uma missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) chegar à China, prevista para acontecer em janeiro, para investigar as origens dessa pandemia. 

(Com informações do G1)