MS Notícias

domingo, 05 de julho de 2020

Política

Juíza manda penhorar R$ 1,9 mi de Picarelli para pagar conta com acusado de golpe milionário

Por: Edivaldo Bitencourt09/10/2019 às 07:10
ComentarCompartilhar
Reprodução de registro da Dedfaz, no qual ex-deputado dava outro tratamento a empresário preso acusado de dar golpe em 60 milReprodução de registro da Dedfaz, no qual ex-deputado dava outro tratamento a empresário preso acusado de dar golpe em 60 milFoto: Reprodução

Justiça determinou a penhora de R$ 1,962 milhão do diretor da TV Assembleia, Maurício Picarelli (PSDB), para quitar quatro cheques sem fundo emitidos em 2016. O credor é o empresário Celso Éder Gonzaga de Araújo, preso na Operação Ouro de Ofir acusado de dar golpe em 60 mil pessoas.

Para se livrar da dívida, o ex-deputado mudou a versão sobre a transação com Araújo. O tucano alega, agora, que foi vítima de agiotagem e assinou os cheques, que totalizam R$ 1,373 milhão, sob coação.

Da cadeia, acusado de aplicar golpe em 25 mil cobra R$ 1,6 milhão de deputado
Em abril do ano passado, quando Celso Éder ajuizou a execução da dívida na Justiça, o então deputado apresentou outra versão para a dívida. Na ocasião, Picarelli afirmou, em nota à imprensa, que foi uma das vítimas do golpista. Ele disse que pretendia vender uma casa de R$ 1,4 milhão para investir na Operação AU Metal para obter lucro fabuloso e fácil.

Ainda em abril do ano passado, a juíza Mariel Cavalin dos Santos, da 16ª Vara Cível de Campo Grande, determinou o pagamento da dívida  – na época, o valor corrigido era de R$ 1,6 milhão. O ex-deputado ignorou a determinação judicial e até perdeu o prazo para apresentar a defesa.

A magistrada determinou o pagamento da dívida em 15 dias, sob pena de acréscimo de 10% e penhora dos bens. Em abril deste ano, o ex-deputado decidiu se defender e apresentou a nova versão para a conta milionária.

No entanto, como a contestação ocorreu fora do prazo, a juíza praticamente ignorou a manifestação da defesa e determinou a execução judicial da dívida. Conforme despacho publicado no dia 19 de setembro deste ano, caso o tucano não quite a dívida, a Justiça vai penhorar os seus bens para garantir o pagamento de Celso Éder. Com o acréscimo de 10%, ele se tornou credor de R$ 1,962 milhão.

Desesperado com a decisão, o apresentador, famoso pelo bordão não assine nada sem ler, ingressou com novo recurso. No pedido, Picarelli insiste na nova versão para o empréstimo milionário.

O ex-deputado conta que estava passando por dificuldades financeiras e ficou sabendo que Celso Éder emprestava dinheiro. Então, ele pediu ao empresário uma quantia. A garantia do pagamento foram os cheques.

Os advogados Paulo da Cruz Duarte, Maikol Weber Mansour e Alir Terra Lima pedem a anulação dos cheques, porque foram assinados mediante coação e houve a cobrança de “juros e correções monetárias abusivas”. A defesa garantiu ainda que o tucano teria pago a dívida em parcelas mensais e com “valores pequenos”.

Como coação e agiotagem são considerados crimes, eles pedem a inversão do ônus da prova e o cancelamento do débito. Nas duas manifestações apresentadas pela defesa, Picarelli não revela o valor que pegou emprestado do empresário.

A nova versão até contraria apreço público manifestado por Picarelli ao empresário. Conforme trecho reproduzido em boletim de ocorrência da Dedfaz (Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes de Defraudações, Falsificações, Falimentares e Fazendários), o apresentar se refere ao empresário como “Dom Éder”.

Na ocasião, conforme o registro policial, Celso levou o cantor sertanejo Mato Grosso, da dupla Mato Grosso e Mathias, para se apresentar no programa. O músico, que veio comandar o show na festa de aniversário do empresário, e Picarelli o tratam com “distinção”.

 

Ex-deputado quer dar o calote com o aval da Justiça, rebate advogado
“O papel aceita qualquer bobeira”, reagiu o advogado Rafael Scaini, que representa Celso Éder junto com o desembargador aposentado Luiz Carlos Santini. “Ele não cita o valor emprestado nem a taxa de juro abusiva”, pontuou.

Ele explicou que Picarelli apresentou a defesa totalmente fora do prazo e só está tentando dar o calote com o aval da Justiça. “Mas não vai conseguir”, destacou.

Scaini explicou que a prática de empréstimo de dinheiro entre pessoas não é ilegal no Brasil. Sobre a prática de agiotagem, a prova do suposto crime cabe ao ex-deputado. “Ele não tem prova nenhuma sobre agiotagem”, garantiu.

Celso Éder é réu na Justiça estadual em decorrência da Operação Ouro de Ofir. Ele ficou preso por quase um ano e foi solto por liminar concedida no ano passado pelo Supremo Tribunal Federal.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma