26 de fevereiro de 2021

Crianças estão em abrigo

Mãe de irmãs mortas no Japão consegue a guarda das netas

Depois de uma longa espera a mãe das irmãs mortas em uma cidade no Japão em dezembro de 2015, conseguiu a guarda das netas de 4 e 5 anos, que estão em um abrigo desde a morte da mãe e tia.

Maria Aparecida Amarília Scardin conseguiu a guarda das crianças através da Justiça de Mato Grosso do Sul. Maria havia procurado a Defensoria Pública para entrar com o pedido da guarda.

O pedido foi feito pelo defensor público Carlos Alberto Souza Gomes e foi deferido pela juíza da Vara da Infância, Juventude e do Idoso de Campo Grande, Katy Braun.

Mas essa foi somente uma etapa ganha por Maria, pois a decisão foi encaminhada para o Ministério das Relações Exteriores que deve informar a decisão para o governo japonês, porém o país não é obrigado a cumprir a determinação.

O caso

Akemi Maruyama de 27 anos e Michelle Maruyama de 29 anos foram encontradas mortas no apartamento onde moravam, na cidade japonesa Handa, no dia 31 de dezembro de 2015. De acordo com Maria Aparecida Amarilha Scardin, mãe das mulheres assassinadas para que as crianças retornem ao Brasil é necessário a liberação de um documento para conseguir o visto para ao Japão.

Conforme informações, Akemi Maruyama era casada com um homem de nacionalidade peruana, tido como suspeito pela polícia de Handa de ter cometido o crime. Segundo a polícia, as duas irmãs teriam sido estranguladas. O apartamento onde ambas moravam foi incendiado. A polícia suspeita de que o incêndio teria sido cometido pelo marido de Akemi. Segundo familiares, a campo-grandense morava no Japão há dez anos.

O marido de Akemi, de nacionalidade peruana, é investigado como suspeito do crime e  foi detido no dia do incêndio, quando dirigia um veículo acompanhado das duas filhas do casal de 3 e 5 anos de idade. As crianças estão sob a proteção da polícia e devem ser trazidas para ficar sob a guarda da avó.