05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

COVID-19

Países do G20 serão pressionados por EUA e União Europeia, por doação de vacinas

Ação para ajudar países mais pobres busca imunizar 70% da população mundial até o final de 2022

A- A+

Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse nesta 2ª feira (18.out.2021) que a União Europeia e o governo americano vão pressionar os países do G20 a elevarem a doação de vacinas anti-Covid para países mais pobres, para imunizar 70% da população mundial até o final de 2022.

Os líderes de 19 países –entre as maiores economias globais– e da UE se reúnem no final deste mês, em Roma. Von der Leyen afirmou que a UE já doou 87 milhões de doses até agora ao consórcio Covax, que adquire e distribui fármacos para 144 países, e anunciou a doação de mais 500 milhões no próximo ano, segundo informações da agência de notícias Folhapress.

No mês passado, o presidente americano, Joe Biden, já havia anunciado também a doação de mais 500 milhões de doses, o que elevará a 1 bilhão o número de doses enviadas a outros países.

"Mas outros países também precisam avançar. Trabalho em estreita colaboração com o primeiro-ministro [da Itália, Mario] Draghi e o presidente Biden para reunir os líderes do G20 na cúpula de Roma, na próxima semana, por trás desse objetivo ambicioso: vencer a pandemia global."

Von der Leyen afirmou que, além das doações, a UE exportou metade das vacinas fabricadas no continente, enviando mais de 1 bilhão de doses a mais de 150 países –entre eles, ela citou Japão, Turquia, Reino Unido, Nova Zelândia, África do Sul e Brasil.

Como lembram os dirigentes da OMS (Organização Mundial da Saúde), a distribuição desigual das vacinas não é só uma preocupação regional ou altruísta: é um fenômeno que pode comprometer o controle da pandemia no mundo todo, incluindo nos países ricos, porque quanto mais o vírus circula descontroladamente, maior é o risco de que surjam variantes mais perigosas e resistentes à vacina.

Em maio deste ano, as nações desenvolvidas –com 15% da população mundial– concentravam quase metade das vacinas disponíveis. Enquanto um terço de seus habitantes havia recebido ao menos uma dose, nas nações pobres a proporção era de apenas 0,2%.

A doação de imunizantes também se tornou uma forma de diplomacia. Além dos EUA que anunciaram o repasse de doses para a comunidade internacional, em junho, o Reino Unido também informou que doaria 100 milhões de imunizantes.