MS Notícias

quinta, 02 de julho de 2020

Projeto Wolbachia

?Projeto Wolbachia: Alternativa para redução da dengue, zika e chikungunya pelo Aedes aegypti

Por: Dayane Parron08/10/2019 às 15:09
ComentarCompartilhar

Durante a sessão ordinária desta terça-feira (8), a assessoria técnica da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV-Sesau), Rosana Mercado, usou a Tribuna para falar sobre o Projeto Wolbachia, com objetivo de promover a substituição de Aedes aegypti por mosquitos com a bactéria Wolbachia, que tem capacidade reduzida de transmitir arboviroses como dengue, zika e chikungunya. O convite para falar sobre o tema foi feito pelo vereador Chiquinho Telles.

De acordo com Rosana Mercado, o Projeto Wolbachia é o mosquito aliado contra a doença. “A wolbachia é uma bactéria naturalmente presente em cerca de 60% dos insetos da natureza como a mosca da fruta, abelha e borboletas, quando inserida no Aedes aegypti reduz a capacidade do mosquito transmitir a dengue, zika e Chikungunya”, explicou.

Segundo a assessoria técnica da Sesau, Rosana Mercado, o Projeto Wolbachia foi implantado inicialmente no Rio de Janeiro.  Foi implantado entre agosto de 2015 e o início de 2016 como projeto piloto no Rio de Janeiro, obteve sucesso na implementação do projeto com mais de 20 mil pessoas envolvidas nas atividades. Com este êxito buscaram parcerias e expandiram o projeto para as cidades de Belo Horizonte, Petrolina e a nossa Capital, Campo Grande”, detalhou.

“A intenção é implantar a bactéria nos ovos do Aedes aegypti, afim de que nasçam modificados e se proliferem, tendo assim uma população de Aedes modificados que seja maior que a população Aedes aegypti normal, minimizando os efeitos da tríplice epidemia”, complementou.

Para esclarecimento da população, Rosana Mercado enfatizou que a bactéria Wolbachia não irá interferir na saúde da população. “Ela é uma bactéria intracelular, tem várias limitações e ela não é transmitida pelo Aedes na sua picada, então ela  vai ficar lá dentro do mosquito e não tem contato com o ser humano, é a mesma coisa da abelha, não tem contato com nada”, alegou.

Por fim, Rosana Mercado afirmou que a intenção é buscar alternativas para controlar epidemias na cidade. “Sabemos o quanto é difícil enfrentar uma epidemia e enfrentamos uma epidemia totalmente atípica este ano. Então, buscamos novas formas de combater esse vetor, e a Wolbachia veio para nos auxiliar nisso”, finalizou.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma